China e Rússia denunciam Estratégia de Segurança dos EUA

Pequim critica “mentalidade de Guerra Fria” de documento, enquanto Kremlin chamou relatório de “imperialista”.

China e Rússia reagiram duramente, esta Terça-feira (19), à divulgação da nova Estratégia de Segurança Nacional dos EUA, anunciada no dia anterior pelo Presidente Donald Trump. No documento, China e Rússia são tratadas como “potências adversárias”, que oferecem desafios ao poderio americano. “Qualquer país, qualquer relatório, que distorça os factos, ou calunie de forma maliciosa, apenas fará isso em vão”, declarou a porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores, Hua Chunying, referindo-se a uma “mentalidade de Guerra Fria”.

No documento de Trump, a China é vista como uma “potência revisionista”, que busca deslocar os Estados Unidos na Ásia. “Exigimos dos Estados Unidos que parem de distorcer, propositadamente, as intenções estratégicas da China e que deixem de lado noções obsoletas, como a mentalidade de Guerra Fria e o jogo de soma zero, caso contrário, apenas prejudicarão a si mesmos, ou terceiros”, completou Hua.

A porta-voz também fez uma vigorosa defesa da política externa de Pequim. “A China nunca perseguirá o seu próprio desenvolvimento às custas dos interesses dos outros países”, frisou, ressaltando, porém, que “ao mesmo tempo, nunca vamos desistir dos nossos interesses e direitos legítimos”. O conteúdo da nova Estratégia de Segurança Nacional contrasta com a cordial primeira visita oficial de Trump a Pequim, em Novembro passado.

Moscovo critica visão de ‘mundo unipolar’

A Rússia denunciou o “caráter imperialista” do relatório de estratégia nacional e acusou Washington de se ater à visão de um “mundo unipolar”. “O caráter imperialista deste documento é evidente, tanto quanto a recusa a renunciar a um mundo unipolar, uma recusa insistente”, declarou o portavoz do Kremlin, Dmitri Peskov. O Governo russo “não pode aceitar que tratem o país como uma ameaça à segurança dos Estratégia de Segurança Nacional dos EUA, do Presidente Donald Trump, Estados Unidos”, vincou.