Crônicas ao acaso:Novo ciclo

É um facto consumado. Angola conhece um novo ciclo na governação. É a inovação em movimento, a competência em expansão, o prometido cada vez mais devido. O que se vê e o que se ouve já dá para crer! A nação vive tempos novos. As incertezas dão lugar a certezas, as dúvidas vão sendo dissipadas, as surpresas não criam estranheza, a esperança se renova e cresce a cada dia que passa.

POR: João Rosa Santos

O novo ciclo representa inevitavelmente um mergulho em direcção ao progresso e bem-estar dos angolanos, mais quando se trilha pelo caminho correcto, eliminando-se lacunas, preenchendo- se vazios, criando-se terreno fértil para a construção de um futuro melhor. Como é regra, a busca do novo exige sempre roteiros diferentes, caso a caso, e de forma interligada numa linha de acções sequenciais, corrigindo o que está mal e melhorando o que está bem. Entender essa nova realidade é saber aceitar a mudança como um factor constante na vida capaz de criar oportunidades, evitar perdas e garantir resultados.

Saber administrar e inovar não é tarefa fácil. Trabalhar com soluções fazendo da prática o melhor critério da verdade é sinal de maturidade, um novo e enriquecedor desafio. Por isso, idealizar, fazer, testar, rever, ajustar continuamente deve fazer parte dos paradigmas da boa governação, um processo permanente que nunca encerra. Afinal, Trabalhar de modo colaborativo e harmonioso junto das populações é fonte inesgotável de credibilidade e sucesso. A caminhada é longa e dificil, e o novo ciclo ainda é criança. Assim sendo, está claro, é preciso empenho, motivação, determinação e coragem para que os frutos a colher futuramente sejam suculentos e satisfaçam os apetites de todos a medida de cada um.

Nesta senda, com o mundo em constante mutação, é inadiável saber gerir e aproveitar o tempo, implementar e consolidar uma nova cultura de vida porque, aceleradamente, enquanto uns nascem, outros morrem. O ambiente e as expectativas da actualidade exigem capacidade de adaptação, criatividade e raciocínio estratégico para se debelar e ultrapassar os constrangimentos do presente e alicerçar os pilares da felicidade dos angolanos. Votos de boas festas e próspero ano novo.