“Proibição no comércio de marfim não é o fim do tráfico”

“Proibição no comércio de marfim não é o fim do tráfico”

Ambientalistas mostram-se esperançados com o facto de a República da China ter proibido o comércio do marfim, porém, apelam a que Angola ensaie novos métodos de protecção, pois a proibição pode dar lugar ao mercado informal

Registe-se como Assinante ou inicie a sua sessão para continuar a ler este artigo.
Entrar - Criar Conta