Plano de acção de reformas do Lesotho apresentado no MIREX

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino do Lesotho, Lesego Makgothi, está desde ontem no país para uma visita de trabalho de dois dias destinada a apresentação do Plano de Acção do Roteiro para as reformas.

O Chefe da diplomacia do Lesotho, Lesego Makgothi, mantém hoje, na sede do Ministério das Relações Exteriores, em Luanda, um encontro com o seu homólogo angolano, Manuel Augusto, onde apresentará o Plano de Acção do Roteiro para a Implementação das reformas no seu país. De acordo com o programa de visita, Lesego Makgothi será recebido em audiência pelo seu homólogo angolano no quadro da presidência de Angola ao Órgão de Cooperação Política, Defesa e Segurança da Comunidade de Desenvolvimento dos Países da África do Sul (SADC). A situação político-militar naquele estado-membro impulsionou a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), a pedido das autoridades locais, a 02 de Dezembro do ano transacto, formaram um contingente militar composto por 217 efectivos.

O contingente é integrado igualmente por um grupo de 164 efectivos das Forças Armadas Angolanas (FAA) e está desde Dezembro último no Reino de Lesoto, onde participa na missão de paz visando a estabilidade daquele país da região Austral do continente e cuja missão é de seis meses renováveis. Trata- se de um contingente do batalhão de apoio à paz, composto por uma companhia de infantaria. Na qualidade de presidente do Órgão para a Política, Defesa e Segurança da SADC, Angola integra a referida missão, contribuindo assim para a estabilidade política e segurança no Lesoto, país que vive uma situação de instabilidade considerada crescente por alguns observadores, depois do assassinato do então chefe das forças de defesa e segurança.

Foi por tal razão que os países membros da SADC decidiram criar a referida missão de prevenção, integrada pelas componentes militar, policial e civil, a fim de cumprirem uma missão que, dentre outros, tem como objectivo apoiar na consolidação da paz e segurança daquele país. Esta é a primeira missão de operações de apoio à paz que Angola cumpre no quadro de uma organização regional, no âmbito da Carta das Nações Unidas. A cimeira decidiu o envio imediato de uma Força em Estado de Alerta da SADC, integrada pelas três componentes, militar, policial e civil, para garantir a normalidade da situação favorável à implementação das reformas necessárias, principalmente no sector da defesa e segurança. O general Geraldo Sachipengo Nunda, chefe do Estado Maior General das FAA, é presidente do sub-comité de Defesa da SADC.