Petróleo chega aos USD 70 3 anos depois

O preço do barril do Brent, petróleo que serve de referência para as exportações angolanas, atingiu os USD 70 quinta-feira desta semana, tendo recuado para USD 69,11 na sessão de ontem. Para o economista João Zumba, a se manterem nos níveis em que está, o preço do crude terá impacto positivo na economia nacional

Por: Hélder Caculo

O preço do Brent que há semanas mantém-se na “casa” dos USD 60, é superior ao preço de referência do barril de petróleo previsto no Orçamento Geral do Estado deste ano (USD 50) para este ano. Em entrevista a OPAÍS, o economista João Zumba disse que o aumento gradual do preço do Brent poderá ter impacto positivo sobre a economia nacional, caso se mantenha acima do previsto no OGE.

Contudo, apelou para gastos racionais das receitas do Estado. “Se o preço do petróleo se mantiver nos níveis em que está, vai trazer um novo fôlego às nossas receitas. Entretanto, o que se espera é que esse acréscimo seja gasto da melhor forma. Em relação ao crescimento económico previsto para este ano (4,9%) o economista entende que o mesmo passa pela aposta na diversificação económica.

“Sem diversificação seremos sempre reféns do petróleo, que é um produto que depende muito da conjuntura mundial, por isso, o dinheiro arrecadado deste deve ser canalizado para outros sectores da economia, sobretudo para a agricultura e a indústria”, apontou. No mercado internacional especialistas acreditam que este ano o Brent supere os USD 70, que poderão ter impacto positivo na economia nacional. O crescimento económico previsto no OGE, para o presente ano, é de 4,9%.

De recordar que o Estado prevê um défice de Kz 697,4 mil milhões, equivalente a 2,9% do Produto Interno Bruto (PIB). As despesas e receitas estão estimadas em Kz 9,658 biliões.

O défice estimado de 2,9% é o quinto consecutivo, depois dos 5,3% do PIB previstos no OGE para 2017, de 7% em 2016, 3,3% em 2015 e de 6,6% em 2014, quando despoletou a crise nas receitas petrolíferas. Angola prevê gastar, em 2018, acima de Kz 975 mil milhões em Defesa e Segurança, equivalente a 21,27% de todas as despesas do Estado, ligeiramente abaixo do orçamentado para 2017.

No sector social, o OGE que vai a votação no dia 18 deste mês, prevê gastar 11,30% das despesas públicas com a Educação, equivalente a Kz 517,7 mil milhões, 7,40% com a Saúde, na ordem dos Kz 339,1 mil milhões e 14,83% com a Protecção Social, com cerca de Kz 680 mil milhões.

OPEP e Rússia podem voltar a aumentar produção de petróleo

Os sinais progressivos de reequilíbrio no mercado internacional de petróleo e a perspectiva de aperto na oferta até meados de 2018 podem levar a uma saída gradual dos cortes de produção e a um aumento na produção da OPEP e da Rússia, refere o banco Goldman Sachs, numa nota de pesquisa datada de Terça-feira. Apesar de uma previsão de forte crescimento na produção em 2018 nos EUA e em países fora da OPEP, o banco de investimento espera que os estoques permaneçam abaixo dos níveis sazonais.

Os produtores da OPEP e de outros países, liderados pela Rússia, estenderam em Novembro o seu acordo para reduzir a produção em 1,8 milhão de barris por dia (bpd) até ao fim de 2018, para acabar com o excesso de petróleo global acumulado desde 2014. O Goldman Sachs manteve a sua projecção para o preço médio do Brent em 2018 em 62 dólares por barril. No entanto, o banco disse que o aumento da produção da OPEP, conjuntamente com o aumento da produção dos países que não fazem parte do parte do cartel, até ao segundo semestre de 2018, poderia levar a preços