AMOVE leva donativo a kuduristas do Prenda e Chabá

A organização de jovens visionários e empreendedores (AMOVE) realizou no Sábado 13, em Luanda, uma acção de solidariedade com a entrega de alguns bens duradouros e géneros alimentícios a um grupo de jovens músicos do estilo Kuduro, dos bairros Prenda e Chabá, no distrito da Maianga

Por: Ireneu Mujoco

Trata-se de aparelhos de som, roupa, e alimentos diversos não perecíveis, cujo gesto visa minimizar algumas carências com que se debatem estes jovens músicos, segundo o responsável da AMOVE, Onell Santos. Os primeiros beneficiários foram os músicos kuduristas do Prenda, designadamente Ngola Star, Ponto Show, Jota P, e Caravanas do Prenda, respectivamente.

Momentos depois, foi a vez dos kuduristas do Chabá, cujo bairro faz fonteira com o Prenda, que receberam também os mesmos bens que os primeiros beneficiários. Em breves declarações aO PAÍS, o responsável da AMOVE disse que este é um projecto de solidariedade virado para as áreas da Saúde, educação, desporto, hotelaria, turismo e outras, cujas acções começaram em Luanda no dia 17 de Dezembro do ano passado. Ainda em Luanda, segundo Onell Santos, serão contemplados outros músicos, mas o responsável não avançou a data, ao mesmo tempo que anunciou estender esta acção às restantes províncias do nosso país.

De acordo com Onell Santos, Malange será a próxima a beneficiar da doação dos jovens empreendedores, que prometem angariarem mais bens, nos próximos tempos, para doar a quem precisa. Jovens enaltecem a iniciativa Ngola Star, Ponto Show, Jota P e Caravana do Prenda, enalteceram a iniciativa da AMOVE, referindo que os bens chegaram numa boa altura, na medida em que vão suprir as prementes necessi-dades que os afligem.

Eles prometeram cuidar dos meios duradouros, para que possam tirar deles o maior proveito possível, realçando que, para além deles, outros músicos kuduristas poderão beneficiar destes instrumentos. Esta acção de solidariedade insere- se num programa que consiste em dar a voz e credibilidade aos jovens angolanos talentosos, carentes de ajuda financeira e social, e que vivem somente do Kuduro.