Carta do leitor: Camama com luz apagada pelos bandidos

Caro director do Jornal OPAÍS

Tenho seguido as notícias em Angola e estou muito espantado com aquilo que acontece no Camama, onde os meliantes derrubam postes de iluminação e de condutores de cabos de electricidade, destroem postos de transformação, às centenas e parece que ninguém vê nada.

Por: José Açoreira

Não creio que aquele “trabalho” seja feito à noite, até porque os ladrões poderiam sofrer acidentes. Também não creio que sejam ladrões normais a fazer aquele trabalho. Tem de ser gente que conhece de electricidade e também conhece bem a área, a planta. Acho que se O SIC investigar bem ainda apanha os bandidos dentro da ENDE, ou da administração local.

Os prejuízos são muito grades e o roubo não pára, também não entendo como é que os roubos continuam se aquela área até tem polícias. Mas neste país já vimos de tudo. Aqui há gente com coragem, o que interessa é só o dinheiro, mesmo que a obtenção deste dinheiro signifique a morte de outras pessoas ou prejuízos muito grandes para o Estado.

Também ouvi que o cidadão estrangeiro que comprava o cobre roubado das instalações eléctricas que tinha sido preso, com a imagem dele a circular nas redes sociais, já foi solto. Foi uma alta patente da Polícia Nacional quem me disse. Fiquei espantado. Será que na Polícia alguém também come deste negócio?

Ou será da Procuradoria? Se calhar o tal estrangeiro tem as costas bem largas. Os angolanos do Camama é que não têm valor. Fico espantado com o que se passa no nosso país. É preciso mesmo corrigir o que está mal, mas acho que esta correcção vai ter de doer a algumas pessoas.

O Presidente da República tem de ter mesmo a coragem que disse ser necessária para combater a corrupção, porque se não houver coragem de fazer doer a algumas pessoas, isto nunca mais vai mudar. Sobre este assunto dos postes e das caixas e postos de transformação no Camama, as imagens que a TV Zimbo passou são revoltantes.

Alguém na Polícia e na ENDE tem de mostrar trabalho para se acabar com o vandalismo.