IECA encoraja Executivo a combater a corrupção e a impunidade

Os delegados à 18ª Assembleia da IECA (Igreja Evangélica Congregacional em Angola) no Bié, encorajaram ontem, Domingo, 28, no Cuito, o Executivo angolano a persistir no combate à corrupção, ao nepotismo e à impunidade no país, como forma de manter a justiça e o progresso social

comunicado final do evento, apresentado no culto de acção de graças, defende a necessidade de se prosseguir com todas as medidas para garantir a distribuição da riqueza do país com justiça. A IECA incentiva o Governo da província do Bié a trabalhar na materialização de políticas que visem a melhoria de condições de vida das populações, investindo nos municípios para equilibrar o desenvolvimento socioeconómico da região.

A décima oitava Assembleia provincial da IECA contou com a presença de 120 delegados provenientes dos nove municípios. Entretanto, na homilia, o secretário da IECA no Bié, pastor José Chituque Gamo Manuel, sublinhou a necessidade de a família cristã valorizar a palavra de Deus como fonte de unidade dos lares.

O religioso considera fundamental as famílias angolanas purificarem- se cada vez mais, abstendo- se de males como a feitiçaria, o ódio, a calúnia e a inveja, entre outros, pautando-se essencialmente por uma conduta socialmente aceite. Exortou os jovens a respeitarem os adultos, especialmente os idosos, valorizando os seus conselhos para se resgatar os valores morais, éticos, cívicos, religiosos, patrióticos e culturais.

Assistiram ao culto de encerramento o governador local, Álvaro Manuel de Boavida Neto, o vice- governador para o sector Político, Social e Económico, Carlos da Silva, o delegado do Interior, António Vicente Gimbe, membros do Governo, deputados à Assembleia Nacional e o colégio de pastores Maior união entre as igrejas Por seu turno, o secretário geral da Igreja Evangélica Reformada de Angola, Alberto Daniel, defendeu no Domingo a colaboração das igrejas de Angola e Moçambique no desenvolvimento da cultura teológica, para a expansão do evangelho.

O encontro, que teve como lema central “Trabalhando entre igrejas amigas”, visou trocar experiências no âmbito teológico e social entre as igrejas da família reformada de países de língua oficial portuguesa, expandir o Evangelho na comunidade de língua portuguesa e manter a divulgação da palavra de Deus nos jovens e adultos, bem como reforçar o ecumenismo.

Analisou de igual modo o trabalho levado a cabo pelas duas denominações durante o triénio 2014/ 2017, referente à sua expansão, assim como foram ministradas palestras sobre o VIH/SIDA e doenças sexualmente transmissíveis.

O enfoque na juventude e sobre a violência contra a criança, a saúde sexual reprodutiva, o ecumenismo e a afirmação das igrejas, uma oportunidade de sinergias e o papel do professor da escola dominical na igreja, assim como a paz, a justiça e a legalidade, estiveram base também em discussão. Abordou ainda questões relacionadas com a paz e reconciliação na família, bem como recolheu opiniões sobre estratégias de integração de igrejas dos países de língua portuguesa (CPLP).

A delegação moçambicana foi representada pelo presidente da Igreja Prebisteriana da Juventude, Alfredo Tembe, e composta por cinco fiéis. A Igreja Evangélica Reformada de Angola ( IERA) e a Igreja Prebisteriana de Moçambique mantém relações ecuménicas desde 1994.

A Igreja Evangélica Reformada de Angola (IERA), uma evolução da Missão do Norte de Angola, fundada pelos missionários Archibald Atterson e Ernest Nickleus, de nacionalidade inglesa e suíça, respectivamente, foi reconhecida, oficialmente em Angolaem 1993 e passou à prática a cinco de Outubro de 1994. É membro cofundador do Conselho das Igrejas Cristãs em Angola (CICA), da Conferência de Igrejas de Toda África (CITA), do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e da Comunhão Mundial de Igrejas Reformadas (CMIR).