Chuva faz quatro mortes numa semana em Luanda

O Serviço de Protecção Civil e Bombeiros (SPCB) registou a morte, ontem, de mais duas pessoas, em consequência da forte enxurrada que se abateu sobre a capital. A este número somam-se outras duas registadas a 13 de Fevereiro, dia de Carnaval

Por: Afrodite Zumba

Em declarações a OPAÍS, o porta-voz provincial do SPCB, Faustino Minguens, disse tratare-se de uma menor de quatro anos, que faleceu em consequência do desabamento de uma residência no bairro Zangi, no distrito urbano da Maianga, e um rapaz de 19, que deslizou numa caixa de derivação da Bacia do Coelho, no município de Viana. Mas salientou tratar-se ainda de dados provisórios.

A par destas, destaca-se também o desaparecimento de duas outras pessoas, a inundação de 1950 residências, sete igrejas, 16 escolas, cinco centros médicos, quatro bancos comerciais, um PT (posto de transformação de energia) submerso e oito residências descobertas, em Mbanza Calumbo, no Zango.

Em alguns pontos, a enxurrada começou por volta das 8h00 e num curto espaço de tempo registou-se uma enchente nas vias, tanto primárias quanto secundárias, dificultando o trânsito de veículos e peões, conforme constatou a equipa de reportagem deste jornal.

Na zona do Antigo Controlo, por exemplo, na Avenida Fidel de Castro, popularmente conhecida por “auto-estrada”, a água atingiu o limite do lancil, transpondo o passeio, e condicionou o trânsito de peões, que andavam nas “pontas dos pés”, na tentativa de se esquivarem das poças de água que se formavam.

Já no Kifica, no distrito urbano do Benfica, por volta das 15 horas, a ponte que dá acesso ao mercado ficou inundada ao ponto de condicionar a passagem de veículos, tendo esvaziado por volta das 18 horas. As chuvas que caíram na capital do país, Luanda, na Terça-feira, 13, para além de provocarem a morte de duas pessoas, fizeram dois feridos e um desaparecido no distrito do Sambizanga, segundo o Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros (SNPCB).

Registou-se também a inundação de 2 mil e 218 residências, 4 centros médicos e cinco bancos comerciais. 4 viaturas ficaram danificadas em função da queda de árvores, sendo que as mesmas obstruíram também a via pública nos distritos urbanos da Maianga e da Ingombota. As chuvas continuam a causar estragos na cidade de Luanda.

Além dos já referenciados, o deslizamento de terras na Boavista, as enchentes da bacias de retenção do Zango que transbordam para as residências vizinhas e via pública, são os outros ocorrências registadas. Em Luanda vivem mais de seis milhões de habitantes, na sua maioria na periferia da cidade, distribuídos pelos municípios de Luanda, Belas, Talatona, Kilamba-Kiaxi, Cazenga, Viana, Cacuaco, Icolo e Bengo e Quiçama.