Kwanza deprecia mais 0,8% e BNA vende menos divisas

O valor do Kwanza face ao euro voltou a recuar esta semana com o BNA a reduzir significativamente, para EUR 55 milhões, o montante das divisas vendidas, em regime de leilão, à banca comercial

Por: Luís Faria

Amoeda nacional registou esta semana nova depreciação face ao euro, desta feita de 0,8%, somando assim este ano uma depreciação de mais de 28% face à moeda europeia, a nova âncora da política cambial. No último leilão de venda de divisas no mercado primário o Banco Nacional de Angola (BNA) apurou uma taxa de câmbio média ponderada de Kz 260,167 por euro, a qual passa a ser a nova taxa de câmbio de referência, para cuja definição contribuíram 11 dos 14 bancos participantes, tendo a taxa mais alta sido de Kz 261,831 por euro e a mais baixa de Kz 258,070 por euro, de acordo com o comunicado relativo ao mercado monetário emitido pela instituição.

A depreciação de mais de 28%, calculada por OPAÍS, tem como referência a taxa de câmbio média do Kwanza face ao euro, apurada nas sessões de venda de divisas no mercado primário realizadas em Dezembro último, numa altura em que ainda não entrara em vigor o novo regime cambial, que compreende uma banda flutuante de variação da moeda nacional, com cada euro a valer, Kz 186,303.

A 9 de Janeiro a taxa de câmbio de referência do kwanza face ao euro fixava-se em Kz 221,26 por cada euro, registando a moeda nacional nova depreciação significativa no leilão de divisas realizado no mercado primário a 16 de Janeiro, passando cada unidade da moeda europeia a valer Kz 248,77.

A moeda nacional continuou a perder valor nos dois outros leilões que tiveram lugar em Janeiro, estabilizando a sua cotação de referência face ao euro na primeira semana deste mês, quando o BNA vendeu a vender dólares.

Divisas em mínimos No leilão desta semana o BNA vendeu divisas no montante de EUR 55 milhões, quase a terça parte da moeda estrangeira colocada no mercado primário no primeiro leilão de Fevereiro e o menor montante transaccionado desde o início deste ano.

De referir que apenas em duas semanas de Setembro do último ano o BNA colocou um montante tão baixo de divisas no mercado. Registe-se que, em Janeiro, o BNA vendeu à banca comercial no mercado primário divisas no valor de EUR 442,2 milhões. Em igual mês de 2017 o BNA colocara EUR 1606,6 milhões no mercado primário, um valor que desceu para perto de mil milhões de euros no mês seguinte.

No entanto, há que ter em conta que o BNA, na informação disponibilizada respeitante ao mercado monetário e cambial de Janeiro, revela ter vendido no primeiro mês do ano EUR 837,3 milhões, ou seja, para além dos leilões realizados vendeu mais EUR 395 milhões directamente. Mas, mesmo duplicando com as vendas directas os montantes colocados através de leilões, o montante das divisas vendidas em Fevereiro deverá ficar bastante abaixo do registo apurado no mesmo mês do último ano.

De notar, por outro lado, que os bancos compram directamente apenas 20% das divisas que adquirem. Pelo menos assim aconteceu em Dezembro, de acordo com a informação transmitida pelo banco central sobre a última reunião do seu Comité de Política Monetária (CPM), realizada a 29 de Janeiro.

‘Em Dezembro, os bancos comerciais compraram USD 892 milhões, dos quais USD 689 milhões ao BNA e o remanescente aos seus clientes, o que comparativamente ao mês anterior representou um aumento de 3,84% e em termos anuais de 4%’, refere o comunicado do CPM.

A nota do BNA referente à venda de divisas em regime de leilão efectuada esta semana, além de referir que as divisas vendidas na sessão se destinam a diversos sectores, adianta que o o banco central ‘disponibilizou divisas na totalidade da procura reportada pelos bancos para cobertura de operações relacionadas com pagamento de propinas escolares e despesas hospitalares’.