UE exige esclarecimentos sobre conduta escandalosa de membros de Oxfam em África

A União Europeia espera da Organização Não Governamental (ONG) Oxfam, explicações sobre o comportamento escandaloso de vários dos seus membros activos na República Centro-africana (RCA), no Sudão do Sul, na República Democrática do Congo (RDC) e no Haiti, declarou no fim de semana passado em Bruxelas, o porta-voz da Comissão Europeia, Maja Kocijancic.

Estes membros da Oxfam são acusados de violações, de comportamento indecente e de orgias, referiu-se Kocijancic Quinta-feira última em Bruxelas. Responsável do Serviço Europeu para a Acção Externa (SEAE), o porta-voz não excluiu a possibilidade, para a UE, de pôr termo às subvenções que recebem ONG humanitárias envolvidas em escândalos sexuais.

Referindo a relatórios oficiais, o porta-voz europeu afirmou que membros da Oxfam serviram-se das ajudas financei-ras concedidas à sua entidade para organizar orgias e violações sexuais nos países onde trabalham. Maja Kocijancic sublinhou que a UE espera por “toda a transparência” possível sobre as acusações formuladas reservando-se ao direito de pôr termo aos financiamentos das ONG humanitárias parceiras que “não respeitem as normas elevadas da ética”.

Depois de informados sobre estas irregularidades, milhares de cidadãos britânicos, doadores privados de fundos, anunciaram ter posto termo às doações da OXFAM. A UE alerta que este fenómeno está a espalhar-se também na Bélgica, França, Suíça e em outros países europeus.