FAS promete construir mais escolas e postos de saúde

O montante global de 1,8 bilhões de Kwanzas de que dispõe o Fundo de Apoio Social (FAS), do financiamento da União Europeia, servirá, ainda este ano, para construir mais escolas e postos de saúde, bem como edificar as residências dos professores e técnicos de saúde em zonas recônditas

Por: Maria Teixeira

O Fundo de Apoio Social e a Fundação Internacional Ibero-americana de Administração e Políticas Públicas (FIIAPP) apresentaram ontem, em Luanda, o balanço das suas actividades em 2017 e o plano do presente ano, que engloba a construção de mais escolas e postos de saúde. De acordo com a directora-geral adjunta do FAS, Helena Farinha, para este ano o FAS tem um montante global de 1,8 bilhões de Kwanzas para investimentos nas suas actividades.

O valor supracitado vai servir para a construção e apetrechamento de escolas, casa de professores, postos de saúde, construção de campos multiusos, centros de aconselhamento familiar e residências para enfermeiros. Do ano transacto, ficou para ser entregue pelo menos 14 infra-estruturas, dentre as quais a construção e apetrechamento de uma escola de 6 Salas na comuna de Utunda, província de Benguela, na localidade Chongoroi, bem como a construção e apetrechamento da casa de professores.

Na Quiçama, em Luanda, está prevista a construção e apetrechamento de um posto de saúde, no Kixinge. Construção e apetrechamento de uma escola de 4 salas, na comunidade de Cahala, Nharêa, província do Bié e construção de campo multiusos. Na mesma senda, as províncias do Huambo, Huíla, Cuanza-Sul e Lunda-Sul também serão contempladas com uma escola de 4 salas, postos de saúde e residências para os técnicos.

“O maior investimento vai estar no reforço das capacidades institucionais locais do FAS com 34%, reabilitação e construção de infra-estruturas sociais e económicas com 27%, desenvolvimento da economia local 17%, reforço das capacidades, coordenação e gestão 16%, e comunicação e viabilidade com 6%”, explicou.

O FAS tem um programa da Agentes de Desenvolvimento Comunitário e Sanitário (ADECOS) no qual se vai adaptar o editor de relatórios, para integrar as informações recolhidas pelos agentes e formação de seus substitutos em 4 municípios piloto (Cuango, Icolo e Bengo, Malanje e Uíge). Para que cubram todas as áreas, prevê-se adquirir 190 bicicletas para ADECOS.

Por sua vez, o director-geral do FAS, Santinho Figueira, explicou que o projecto vai abranger um número maior de municípios, a fim de promover o desenvolvimento económico e sustentável das comunidades, especialmente as mais vulneráveis. “Foi assinado com o Banco Mundial um acordo de crédito no valor de 70 milhões de dólares.

A parceria com a União Europeia engloba a assistência técnica da FIIAPP ao FAS, tem-se demonstrado bastante importante para a execução dos objectivos e metas da nossa instituição e todos os componentes que fazem o seu portefólio”, disse.

Resultados de 2017 O Fundo de Apoio Social financiou. em 2017, 3 escolas de 6 salas, 1 posto de saúde, 1 centro de saúde e 5 residências para técnicos. Quanto ao fortalecimento das administrações municipais, formação de suporte a planificação e gestão municipal, 31 municípios têm definidos as Linhas Estratégicas de Desenvolvimento Local, 2 estudos sectoriais sobre turismo e um sobre a cadeia de valor do café. O Programa de Desenvolvimento Local do Fundo de Apoio Social abrange 14 das 18 províncias do país.

O financiamento de infra-estruturas sociais básicas e económico-produtivas do fundo ajudam as populações a diminuírem as assimetrias territoriais, disparidades sociais no acesso aos serviços sociais básicos, bem como a promoção de uma economia local diversificada para o apoio às famílias carenciadas.