Colectânea: Oswaldo Osório prepara-se para o lançamento do novo livro de poemas

A obra intitulada “Tiresias” é uma colectânea de poemas, cujo título é baseado na personagem da mitologia Grega – Tirésias, um famoso profeta cego

O escritor e poeta cabo- verdiano Oswaldo Osório anunciou que tem em revisão o seu décimo livro de poemas, “Tiresias”, que deverá estar disponível no mercado no mês de Julho. Oswaldo Osório avançou esta informação durante a segunda sessão de “Autor do Mês”, organizado pela Livraria E.Neves, na Cidade da Praia, em que partilhou com os presentes a sua história de vida e as suas obras.

O escritor, natural de São Vicente, é autor de nove livros, dos quais cinco de poesias e quatro em prosa; o “Cântico dos habitantes precedidos de duas gestas”, “Caboverdeanamente construção meu mor”, “Claridade As-sombrada”, “Os loucos poemas de amor e outras estações inacabadas”, “Cantigas de trabalho – tradições orais de Cabo Verde”.

Apesar da sua cegueira (desde 2005), o escritor, de 80 anos, que conta com as mãos da sua esposa para escrever os seus ditados, não quer parar de dar o seu contributo para a literatura cabo-verdiana.

O escritor informou que o livro destaca algumas contribuições que tem havido no universo, tais como os “grandes avanços tecnológicos e grandes conquistas da Física e noutros sectores de conhecimento humanos”. Oswaldo Osório referiu igualmente que o “homem não se reconcilia consigo próprio e tornase cada vez mais desumano”. Já ao pronunciar-se sobre a sessão cultural “Autor do Mês”, considerou que se trata de um espaço que serviu para partilhar experiências da sua escrita e do seu conhecimento com outros autores e ainda para despertar o interesse da juventude e dos alunos universitários para a valorização da literatura cabo-verdiana.

O autor de “As Ilhas do Meio do Mundo”, que iniciou a sua vida literária em 1962, quando regressou dos estudos em Portugal, deu o seu contributo na primeira e segunda edição da Folha Literária “Seló”, que teve uma vida curta, devido ao bloqueio da PIDE (Polícia Internacional e de Defesa do Estado), naquela altura.

Apesar dos bloqueios e das vidas curtas das revistas e dos suplementos naquela época no país, hoje, Oswaldo Osório considera que a literatura, a cultura e a música têm alcançado um outro desenvolvimento e um dinamismo. Quanto ao estado actual da literatura cabo-verdiana, referiu, que hoje existem jovens com trabalhos interessantes, e investigadores a produzir ensaios.