Presidente chinês destaca ecologia política limpa e recta

O presidente da China, Xi Jinping, sublinhou neste Sábado uma ecologia política “limpa e recta” e pediu que os funcionários líderes defendam o Estado de direito.

Xi, também secretário-geral do Comité Central do Partido Comunista da China (PCC) e presidente da Comissão Militar Central, comparou a ecologia política com a ecologia natural, que pode ser poluída facilmente e que, em caso de dano, a sua reabilitação custará um enorme preço. Xi fez esta declaração numa deliberação em grupo com os representantes do município sudoeste de Chongqing na 13ª Assembleia Popular Nacional. Xi sublinhou que uma ecologia política limpa e recta é um requisito essencial para defender a autoridade e a liderança centralizada e unificada do Comité Central do PCC, uma necessidade urgente para garantir uma governação completa e estrita do partido e uma garantia vital para cumprir as metas de reforma e desenvolvimento.

Os altos funcionários devem demonstrar liderança e dar exemplo, acrescentou. Xi pediu-lhes que defendam o Estado de direito, se oponham ao regime individual, respeitem a Constituição, e exerçam o seu dever dentro dos limites da Constituição e das leis. Os funcionários líderes devem obedecer às regras políticas, salvaguardar a autoridade e a liderança centralizada e unificada do Comité Central do PCC e implementar absolutamente as linhas, princípios e políticas do partido, assim como as decisões do Comité Central do PCC. Eles ainda devem promover os valores socialistas essenciais e prevenir a reincidência de elementos negativos nos valores tradicionais, afirmou Xi. Xi enfatizou ainda a necessidade de adopção das três virtudes. A primeira e mais importante é estabelecer a virtude política. Os funcionários devem se manter firmes nos seus ideais e convicções políticas, fortalecer a conscientização partidária e mostrar uma postura clara em assuntos chave, disse Xi.

O presidente chinês declarou que os funcionários também devem manter uma boa virtude pública. Devem comprometer-se a servir ao povo de todo o coração e cumprir a promessa de se esforçar pelas necessidades do povo para uma vida melhor. Xi acrescentou que os funcionários devem vigiar estritamente a virtude individual, abstendo-se da corrupção e da busca de prazeres pessoais. O mandatário ressaltou que um funcionário deve manter-se “limpo”, assim como a família inteira. “Não permitam que o bate-papo na cama os conduza à corrupção. Não permitam que os seus filhos tirem vantagens próprias, utilizando o seu nome. Não sejam puxados à ‘água lamacenta’ pelas pessoas ao seu redor”, advertiu Xi. O presidente chinês disse que os funcionários devem fortalecer a sua auto-disciplina, não ser seduzidos pelo menor ganho que seja e nem sucumbirem a todos os tipos de sedução.

“Os funcionários nunca devem ser auto-complacentes, nunca devem cruzar a linha, nunca devem romper as regras e devem melhorar a imunidade diante da corrupção”, acrescentou. Outros líderes chineses, Li Keqiang, Li Zhanshu e Zhao Leji, também participaram nas deliberações em grupo com representantes da APN. Ao falar com representantes da Região Autónoma da etnia hui de Ningxia, Li Keqiang pediu a implementação da estratégia de exploração do Oeste de grande escala para tornar a região uma pioneira interior na reforma e abertura. Também pediu que a região melhore o ambiente de negócios através do aprofundamento consistente das reformas, eleve os níveis de vida da população e garanta a vitória na batalha pelo alívio da pobreza. Ao reunir-se com representantes da província de Yunnan, Li Zhanshu disse que espera que a região se torne exemplo na promoção da unidade e progresso étnicos e desenvolvimento ecológico, assim como se transforme num centro de abertura para a Ásia Meridional e o Sudeste Asiático. Nas deliberações de representantes da Região Autónoma do Tibet, Zhao Leji disse que a campanha contra a mentalidade e as acções de busca de privilégios deve continuar. Também pediu medidas contra o formalismo, a burocracia e diversos tipos de más condutas, a fim de manter a pressão sobre os problemas de conduta.