Zenú revela não ter sido notificado sobre as medidas de coação

Zenú revela não ter sido notificado sobre as medidas de coação
Spread the love

José Filomeno dos Santos entregou os passaportes à PGR e está sob termo de identidade de residência (TIR)

Texto de: Norberto Sateco

O ex-presidente do Conselho de Administração do Fundo Soberano, José Filomeno dos Santos, tornado arguido pela Procuradoria- Geral da República (PGR) esta Segunda-feira, 26, manifestou- se surpreendido pelo facto de não ter sido notificado sobre as medidas de coação divulgadas recentemente por aquela instância judicial.

Numa nota de imprensa tornada pública esta Terça-feira, o filho do antigo Presidente de Angola refere que há 20 dias que foi ouvido pela PGR, mas que não lhe terá sido passada nenhuma notificação de coação.

Entretanto, segundo o mesmo comunicado, decidiu, de forma voluntária, contactar a PGR onde entregou, na tarde desta Terça- feira, 27, os passaportes e assinou o Termo de Identidade e Residência, na Direcção Nacional de Investigação e Acção Penal (DNIAP), afecta à Procuradoria- Geral da República, em

cumprimento ao despacho de indiciação. “Mantenho a total disponibilidade de continuar a cooperar com a Procuradoria-Geral da República para a resolução plena e satisfatória deste processo, como, de resto tem vindo a suceder desde o dia 27 de Fevereiro”, refere no comunicado de imprensa. Neste mesmo do documento tornado público, reafirma a sua vontade de colaborar para a descoberta da verdade material dos factos, contribuindo assim para o esclarecimento deste caso.

Uma decisão vista pelos magistrados do Ministério Público como sendo digna de realce, na medida em que os arguidos têm obrigação de ajudar a justiça na descoberta da verdade material.

Zenú dos Santos faz parte de um processo em que é indiciado em crimes de associação de malfeitores, branqueamento de capitais, burla e defraudação resultante da uma alegada transferência de 500 milhões de dólares do Banco Nacional de Angola para uma sucursal britânica do Crédit Suisse.

Para o subprocurador-geral da República, este caso poderá ser levado até às ultimas consequências, crime para para o qual a amnistia não é colocalada em causa, “devido à especificidade do crime ao qual estão indiciados”. “Vamos levar estes casos até às últimas consequências.

É muito dinheiro, que acaba por mexer com a tampa de todos nós”, disse o responsável da instrução do processo deste caso, Luís Ferreira Zanga. Para além de José Filomeno dos Santos (Zenú), fazem também parte da lista de individualidades tornadas arguidas o exgovernador do Banco Nacional de Angola, Válter Filipe Duarte, Jorge Gaudens Pedro Sebastião, António Samalia Bula Manuel e João Domingos dos Santos Ebo.

A Direcção Nacional de Investigação de Acção Penal garante que as diligências vão continuar num processo que já ouviu 9 declarantes, dentre 14.