Ser candidato no México é quase uma sentença de morte

Ser candidato no México é quase uma sentença de morte

Ser candidato no México é praticamente uma sentença de morte, afirma, quase sussurrando, Mario Alberto Chávez, aspirante à prefeitura de Zumpango, no violento estado de Guerrero

Sobrevivente de um atentado, ele faz campanha com medo porque não tem guardacostas, apesar de os ter solicitado. “Ía desistir . . .


Registe-se como Assinante ou inicie a sua sessão para continuar a ler este artigo.
Entrar - Criar Conta