Expo-Huíla encerra com volume de negócios avaliados em USD 3 milhões

A 26ª edição da maior bolsa de negócios da região, que decorreu de 8 a 12 do mês em curso, na cidade do Lubango, capital da província da Huíla, ultrapassou as expectativas da organização, segundo o presidente da Associação Agro-Pecuária Comercial e Industrial da Huíla (AAPCIL), Paulo Gaspar

POR: João Katombela,na Huila

Ao longo de quatros dias estiveram envolvidas 400 empresas nacionais que actuam em diversos ramos da economia, com destaque para a banca, seguros, indústria, hotelaria e segurança. Para o presidente da Associação Agro-pecuária Comercial e industrial da Huíla (AAPCIL), Paulo Gaspar, as expectativas foram ultrapassadas, em virtude do volume de negócios transacionados estar avaliado em USD 3 milhões. “Nesta primeira avaliação, concluímos que o volume de negócios transaccionados na Expo-Huíla passou os USD 3 milhões”, declarou. Paulo Gaspar adiantou que os valores arrecadados são fruto dos serviços montados, particularmente pelo sector da banca e alguns serviços sociais, como a Administração Geral Tributaria (AGT).

Segundo o responsável, este ano a banca montou serviços de atendimento ao público e procedeu à venda de serviços na Expo-Huíla, garantindo assim um grande movimento de depósitos, serviços e a compra de produtos. Além de empresas públicas, na 26ª edição da Expo-Huíla participaram representações de administrações municipais, designadamente do Kuvango, Caluquembe, Gambos, Caconda e Cacula. Durante os quatro dias de actividades, 12 mil pessoas, com realce para estudantes e crianças, tiveram acesso aos serviços e bens colocados à sua disposição. Paulo Gaspar apontou como grande inovação do evento a emissão do alvará comercial na cidade do Lubango, província da Huíla. Segundo ele, a descentralização da emissão do documento vai mitigar as dificuldades que empresários enfrentavam no processo de legalização das empresas. “Alguns serviços institucionais, tais como a AGT, a Segurança Social, a Direcção do Comércio Interno e os Serviços de Emigração e Estrangeiro também ofereceram os seus serviços na Expo-Huíla”, acrescentou.

O responsável da associação empresarial realçou o facto de o Departamento do Comércio ter lançado oficialmente a emissão do alvará imprenso na cidade do Lubango. Deste modo, os empresários deixarão de se deslocar a Luanda ou aguardarem meses pelo referido documento. Falando sobre o assunto, o empresário Horácio Reis considera que a emissão do alvará comercial na cidade do Lubango representa um progresso na linha da descentralização de alguns actos administrativos da capital do país, mas advoga que mais serviços sigam o mesmo rumo. “É uma iniciativa louvável. Agora é preciso que outros serviços conheçam a mesma realidade para evitar que os cidadãos continuem a viver os transtornos decorrentes da falta deste e doutros serviços nas suas cidades”, sublinhou.