Governo italiano procura culpados pela tragédia da ponte de Génova

Vice-primeiro-ministro Matteo Salvini acusa a Europa de forçar constrangimentos orçamentais que condicionam o investimento público. A ponte em Génova que Terça-feira colapsou e causou pelo menos 39 mortos era de 1967

POR: Diário de Notícias

A garantia foi prontamente feita pelo vice-primeiro- ministro e ministro do Interior italiano Matteo Salvini. “Uma promessa: vamos até ao fim para apurar a responsabilidade deste desastre inaceitável”, escreveu no Facebook o líder da Liga, partido de extrema-direita que, desde Junho, governa Itália coligado aos eurocépticos do Movimento 5 Estrelas. Haviam passado poucas horas desde que colapsara uma parte da ponte Morandi, viaduto na Autoestrada 10, em Génova.

A tragédia, que fez pelo menos 39 mortos e 15 feridos, ocorreu na véspera do Ferragosto, Festa da Assunção de Maria, assinalada a 15 de Agosto e ocasião de partida para férias de muitas pessoas na Itália.“Quanto mais penso nos mortos de Génova mais me irrito. Os responsáveis por este desastre, com nomes e apelidos, vão ter de pagar, pagar por isto tudo, muito caro”, acrescentou, a meio da tarde de Terça-feira, Salvini, no Facebook. Citado pela Ansa, o ministro, conhecido por criticar as falhas na política migratória da UE, voltou a apontar o dedo à Europa.

“Se não houvesse constrangimentos externos que nos impedem de gastar mais em estradas seguras, escolas… então realmente devemos questionar se vale a pena seguir estas regras. Não pode haver negociação que ligue regras fiscais à segurança dos italianos”, afirmou Salvini, cujo Governo quer excluir certos investimentos dos cálculos do défice. O colapso, que causou o despenhamento do 20 automóveis e três camiões que transitavam nos cem metros do viaduto, ocorreu por volta das 12 horas locais, numa altura em que chuvas torrenciais caíam em Génova, capital da região da Ligúria e Noroeste de Itália.