Recenseamento agropecuário e pescas arranca em Novembro

Segundo o seu plano estratégico, em Novembro do ano em curso, o Instituto Nacional de Estatística (INE) lançará o Censo Piloto para o recenseamento Agropecuário e Pescas (RAPP), disse Margarida Lourenço.

Com o objectivo de ajudar o Executivo na definição de políticas para os vários sectores de actividade, o Instituto Nacional de Estatística (INE) está pronto para dar início, em Novembro, ao Recenseamento Agropecuário e Pescas (RAPP). A informação foi veiculada em exclusivo ao OPAÍS por Margarida Lourenço, que responde pelo Departamento de Estatísticas Demográficas e Social do INE. A alta responsável do INE revelou que o RAPP dispõe de um orçamento de aproximadamente USD 18 milhões. “Temos as condições criadas, incluindo o orçamento. Faltam apenas pequenos acertos que serão feitos nos próximos tempos, mas nada que coloque em risco o início do processo na data agendada”, assegurou, sem, no entanto, precisar a data em questão. Em Novembro, sublinhou, começa apenas o Censo Piloto, sendo que o período de recolha iniciará apenas em Fevereiro de 2019.

Acrescentou que o pessoal a ser engajado no processo começará a ser formado 15 dias antes, destacando que a preferência recai àqueles cidadãos que já trabalharam em outras ocasiões, sem contudo descartar a possibilidade de recrutar outros mais. Margarida Lourenço avançou ainda que o Recenseamento Agropecuário e Pescas decorrerá em cinco províncias, pois trata-se de uma primeira análise que dará lugar a um processo mais abrangente. Cabinda, Bengo, Huambo, Huíla e Lunda-Sul podem ser as primeiras, uma vez que o critério é o da representatividade regional. “Vamos trabalhar neste recenseamento no sentido de auxiliar o Executivo e os investidores privados com informação fiável acerca dos referidos sectores. Aliás, tem sido assim, muitos departamentos ministeriais recorrem a nós para obterem informações estatísticas”, frisou. Margarida Lourenço enfatizou que no âmbito da sua estratégia, o INE passará a divulgar, de forma regular, um inquérito sobre o emprego em Angola.

IDREA já decorre

Neste momento, o INE realiza o Inquérito de Despesas, Receitas e Emprego em Angola (IDREA), uma acção que arrancou em Março do ano em curso e termina em Fevereiro de 2019, totalmente Financiada pelo Banco Mundial, e possui um orçamento de USD nove milhões. A operação visa recolher dados sobre as características sociodemográficas, registo de nascimento, educação e formação profissional, saúde geral, emprego, habitação, posse de bens do agregado familiar, segurança alimentar e nutricional, agricultura, pecuária e pesca. O IDREA permitirá ao Governo elaborar políticas, planos e programas públicos de melhoria das condições de vida da população, bem como saberá onde e em que condições vivem os cidadãos. Simultaneamente, possibilitará ao Instituto Nacional de Estatísticas actualizar a base de ponderação de cálculo do índice de preços ao Consumidor.