Research Atlantico: “Alguns destaques do desempenho das economias africanas no 1º semestre de 2018”

África do Sul: A taxa de inflação homóloga atingiu 4,6% no mês de Junho do ano corrente, que representa um incremento de 0,2 p.p. em relação ao mês anterior. O Comité de Política Monetária (CPM) decidiu manter inalterada a taxa de juro de referência, que se mantém fixa em 6,5% desde Março do ano corrente. Segundo o CPM, a evolução no ambiente internacional pressionou a trajectória da inflação, enquanto as perspectivas de crescimento doméstico permanecem desafiadoras.

Gana: A taxa de inflação apurada no sexto mês do ano corrente registou um ligeiro incremento de 0,2 p.p., situando-se em 10%, o nível superior da banda alvo. No mês de Maio o Banco Central reduziu a taxa de juro em 100 p.b. para 17%. O crescimento apurado em 2017 situou-se em 8,5%, que representa a taxa mais elevada dos últimos cinco anos, como resultado do aumento na produção de petróleo e gás.

Moçambique: O Comité de Política Monetária reduziu a taxa de juro de referência em 75 p.b., situando-se em 15,75%, tal como, manteve a taxa de facilidade permanente de empréstimos em 18%. A decisão do CPM foi impulsionada pela redução da taxa de inflação que apesar de atingir 4,4% em Junho, durante o mês de Abril permaneceu perto do mínimo de 2015 ao situar- se em 2,3%. O regulador pretende estimular a economia que poderá expandir-se ao ritmo mais lento dos últimos 18 anos.

Namíbia: O Banco Central manteve inalterada a taxa básica de juro em 6,75%, que corresponde ao menor nível desde Fevereiro de 2016. A taxa de inflação situou-se em 4% durante o mês de Junho, um incremento de 0,2 p.p. em relação ao mês anterior. A medida busca essencialmente salvaguardar as reservas do país que reduziram para 28,1 mil milhões NAD no mês de Maio, menos 2,6 mil milhões NAD face ao mês anterior. A instituição estima que a economia atinja um crescimento de 4%.

Nigéria: O recente relatório divulgado pelo Fundo Monetário Internacional, World Economic Outlook Update, estima que o crescimento económico do país continuará a seguir tendência ascendente, tendo passado de 0,8% em 2017, para 2,1% em 2018 e 2,3% em 2019. A projecção para 2019 representa uma revisão em alta de 0,4 p.p. face as perspectivas divulgadas em Abril do ano corrente. Por outro lado, destaca-se que o Banco Central efectuou pela primeira vez venda da moeda chinesa, yuan, aos bancos locais para impulsionar o comércio entre a China e o maior produtor de petróleo de África.