Felizes os outros

A melhor cidade do mundo para se viver, segundo o ranking anual da Economist Intelligence Unit (a unidade de inteligência da revista britânica Economist) de 2018, é a cidade de Viena, capital da Áustria.

POR: José Kaliengue

Nem é preciso perguntar pelos porquês, basta pensarmos em cultura, que inclui museus, galerias, espaços públicos, acções artísticas de rua, bibliotecas, cinemas, espectáculos… melhor ficar por aqui, mas também a funcionalidade das infra-estruturas, o acesso aos serviços de Saúde, educação, baixa criminalidade, bem, já dá para ver por que razão eles se fecham aos migrantes e por quê gente de todo o mundo quer lá ir viver. Sim, porque há gente desesperada em busca de um sítio feliz. Damasco, a capital da síria é a pior no ranking, também dá para perceber as razões, lá há guerra. Nós sabemos o que isto é e o inferno em que as vidas se tornam. Entretanto entre as dez piores cidades do mundo para se viver estão seis africanas. Dakar, Harare, Argel, Lagos, Trípoli e Doualá não são propiamente cidades em guerra… tirando Tripoli, se calhar, forçando um pouco. É hora de aquels que se reúnem na União Africana e nos fóruns regionais começarem a pensar seriamente nisso: O que andam por lá a fazer?