Leprosaria do Dondi carece de fertilizantes para combater a fome

As autoridades sanitárias na província do Huambo registaram 103 doentes com lepra em diversos municípios, dos quais, 40 são assistidos na Missão do Dondi. A falta de alimentos e de visitas dos familiares são algumas das principais aflições dos doentes. Uma comissão criada pela direcção provincial de Saúde do Huambo apoia-os com fertilizantes para a continuidade das suas actividades agrícolas.

Os cidadãos internados na Leprosaria da Missão do Dondi, município do Catchiungo, província do Huambo, carecem de fertilizantes para desenvolver a agricultura de subsistência. Joana Vita Frederico, responsável do centro, revelou à imprensa que a falta de alimentos está entre as principais preocupações com que se têm debatido, pelo que pede apoio para a retoma das actividades agrícolas, por via de doações desses produtos, tendo em conta que a área reservada para este fim é vasta. A leprosaria está a beneficiar de obras de reabilitação. Assim que estiverem concluídas, em Janeiro de 2019, a capacidade de internamento subirá de 15 para 50. Joana Frederico considera que o melhoramento das infra-estruturas e das condições de trabalhão vão conferir maior dignidade aos seus utentes, tendo em conta que, até então, estavam em avançado estado de degradação.

“Até parecia que os doentes estavam abandonados”. Por outro lado, lamentou o facto de alguns pacientes não receberem o apoio dos familiares e de outros abandonarem o tratamento antes do prazo, o qual varia entre 8 e 10 meses. Joana Frederico contou que em Janeiro de 2008 o centro encerrara as portas a mando do Governo, por considerar-se, na época, que essa patologia já havia sido erradicada do país. Na altura, os casos de lepra eram medicados nas instituições públicas, mas o tempo de encerramento durou apenas uma semana. Depois deste período, o Centro voltou a receber pacientes provenientes de Luanda, Cuanza-Sul, Huambo, Bié, Cuando Cubango, Benguela e Huíla. Sendo que, actualmente, controla 40 doentes, dos quais, 13 estão internados. Um dos pacientes é Serafim Cristo, que está internado no centro há um ano.

Os pacienets e as suas aflições

Este cidadão, que padece de lepra desde 2008, afirmou que para além da alimentação em falta no centro, o desprezo por parte dos familiares que já não os visitam é uma das principais aflições dos internos. Já Lídia, uma das moradoras mais antigas da leprosaria – está lá desde 2003 -, apontou as dificuldades na obtenção dos medicamentos para o tratamento, tanto dessa doença como de outras patologias, como outra aflição. A interlocutora, que já não necessita de atendimento regular de lepra, explicou que, quando são acossados por enfermidades como as diarreias, tosse, malária, entre outras, não tem sido fácil fazer o tratamento. Na esperança de minimizar o sofrimento, o Governo provincial do Huambo criou uma comissão, chefiada pela vice-governadora para o sector Político, Social e Económico, Maricel Capama, que está a acompanhar a situação.

Na semana finda, os membros da referida comissão, da qual fazem parte técnicos da direcção provincial da Saúde, deslocaram- se à Leprosaria da Missão do Dondi para constatar o início das obras de reabilitação, que terão a duração de quatro meses, e doar bens alimentares. Maricel Capama afirmou à imprensa, na ocasião, que para além da reabilitação da Leprosaria, o orçamento disponível para o efeito contempla também o seu apetrechamento. E, por outro lado, que o arranque das obras representa o cumprimento de uma promessa feita pelo Governo provincial, aquando da última visita ao local realizada em Novembro do ano passado. Na ocasião, levaram a preocupação de melhorar as condições do Centro, em termos de infraestruturas e habitabilidade dos pacientes. Quanto aos medicamentos e materiais gastáveis, a governante garantiu que não tem registado negligência por parte da Direcção Provincial de Saúde que, atempadamente ou sempre que há necessidade, faz chegar quites específicos de lepra. “Mas não tem sido fácil encontrar os fármacos, tendo em conta que os países que fornecem já erradicaram a doença. Os técnicos da direcção de Saúde do Huambo, aquando das suas visitas aos municípios, registaram103 doentes”, frisou, Maricel Capama.