Angola estuda uso de energia atómica nos petróleos

O Programa Quadro Nacional (CPF) de uso de energia atómica para fins pacíficos poderá continuar a apoiar a transferência de tecnologia para a utilização de técnicas de rádio traçadores, a fim de melhorar a estratégia de produção e maximizar à extracção global do petróleo bruto, disse ontem, Sexta feira 24,, o secretário de Estado da Energia, António Belsa da Costa.

O secretário de Estado da Energia explicou que um dos objectivos é que Angola desenvolva, a partir da assinatura do documento, uma forte infra-estrutura que cumpra os requisitos principais de Protecção e Segurança das Fontes de Radiação ionizante, seguindo as Normas Internacionais Básicas de Segurança. Citado pela Angop, António Belsa da Costa adiantou que se almeja também apoiar e reforçar a capacidade de planeamento a longo prazo para um maior acesso a serviços modernos de energia nas zonas rurais e periurbanas, utilizando técnicas de isótopos para identificar recursos hídricos subterrâneos e potenciais fontes de poluição nas áreas rurais, assim com capacitar a monitorização da poluição nas zonas costeiras.

De acordo com o responsável, o estabelecimento de uma infra-estrutura reguladora nacional adequada e independente é uma questão de alta prioridade. Para o responsável, a chave para a conquista dos resultados referidos é o forte compromisso do governo em proporcionar apoio administrativo e financeiro, bem como aprovar e rectificar um conjunto de diplomas que impede o regular funcionamento, “pelo que perspectivamos a sua ratificação para que Angola possa explorar ao máximo as potencialidades do uso da energia atómica para fins meramente específicos”. Explicou que o workshop é o resultado do esforço contínuo do Executivo na busca de soluções tecnológicas avançadas, procurando acompanhá-las através da sua integração nas diversas políticas delineadas por cada sector cuja matéria e respectivas actividades envolvem a complexa matéria da energia nuclear.

Realçou que o grupo de trabalho Intersectorial de Energia Atómica de Angola acaba de desenvolver o documento que representa uma simbiose entre o Programa de Cooperação Técnica da Agência Internacional de Energia Atómica e as prioridades do Executivo. Frisou que a tecnologia a ser disponibilizada pela Agência contribuirá significativamente para a melhoria do índice de desenvolvimento humano e do bem-estar das populações, permitindo a erradicação gradual da fome e da pobreza em Angola. O Programa Quadro Nacional (CPF), que está a ser apresentado no “Mega Workshop”, constitui um marco de referência para o Programa de Cooperação Técnica entre Angola e a Agência Internacional de Energia Atómica (IAEA) para o período 2019-2023.

Pretende-se com o encontro chegar a um acordo sobre a programação futura, que tenha como foco os recursos disponíveis do Programa de Cooperação Técnica da IAEA em algumas áreas de desenvolvimento, considerados prioridade para o Governo de Angola, no qual a tecnologia disponibilizada através da Agência, possa criar uma contribuição significativa. Foram realizadas consultas aprofundadas entre as autoridades nacionais competentes envolvidas e a Agência, com base numa análise minuciosa das necessidades do país em ciência e tecnologia nuclear em relação à Estratégia de Angola para o Desenvolvimento a Longo Prazo (Angola 2025) e Programas de Desenvolvimento Sectoriais. O programa está em linha com o Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN-2018-2022) e a Estratégia de Desenvolvimento de Angola 2025, o qual irá orientar todos os que estão directamente envolvidos no Programa de Cooperação Técnica, em Angola e na IAEA, na priorização de áreas de assistência.