Cadeia de supermercados sul-africana aplica 222 milhões em dívida pública angolana

A compra de dívida pública angolana, sobretudo indexada ao dólar, tem sido uma forma de protecção utilizada pelas empresas internacionais que operam em Angola contra a desvalorização do kwanza.

A cadeia de supermercados sul-africana Shoprite tem actualmente investidos 222 milhões de euros em dívida pública de Angola, para fazer face à desvalorização da moeda angolana, o kwanza, indica o relatório do maior grupo grossista em África. De acordo com o relatório, referente ao período de 12 meses até 1 de Julho (ano fiscal de 2018), a que Lusa teve acesso ontem Sexta- feira, 24, o investimento do grupo Shoprite quase que triplicou face ao período homólogo, totalizando 3.690 milhões de rands (222 milhões de euros), operação que este ano foi alargada à compra de Bilhetes do Tesouro (de maturidades mais curtas) emitidos por Angola.

No ano fiscal terminado em Junho de 2017, a cadeia de supermercados, que tem em Angola o maior mercado fora da África do Sul, investiu 1.311 milhões de rands (78,8 milhões de euros) em dívida pública angolana, apenas em Títulos do Tesouro indexados ao dólar norte-americano, com maturidade de dois a três anos e uma rendibilidade de 7% ao ano. O investimento em dívida pública de Angola teve um aumento expressivo nos últimos 12 meses, nos Títulos do Tesouro indexados ao dólar – no mesmo período em que o kwanza angolano sofreu uma desvalorização de cerca de 40% -, fixando-se nos 3.008 milhões de rands (180,9 milhões de euros), acrescidos de 682 milhões de rands (41,03 milhões de euros) aplicados em Bilhetes do Tesouro. Segundo refere o relatório, os Bilhetes do Tesouro – denominados Angola Kwanza – têm um juro de 22,8% ao ano e uma maturidade de 12 meses.

A compra de dívida pública angolana, sobretudo indexada ao dólar, tem sido uma forma de protecção utilizada pelas empresas internacionais que operam em Angola contra a desvalorização do kwanza, face à dificuldade em repatriar lucros e outros dividendos para o exterior, em função da falta de divisas no país. O grupo Shoprite apresentou no exercício de 12 meses, até 01 de Julho deste ano, uma queda de 3,8% nos lucros relativamente ao período homólogo, o primeiro resultado negativo desde 1999, influenciado pela situação económica e cambial em Angola, o seu principal mercado fora da África do Sul. O maior grupo grossista de África está presente em 15 países, entre os quais Angola e Moçambique.