Cutana Carvalho: Uma promessa que se tornou realidade no “mundo” Gospel

Desde muito cedo ganhou o gosto pela música. Aos 17 anos de idade começou a compor e hoje é uma promissora cantora, que dá cartas na arena musical Gospel. A nossa interlocutora é Cutana Carvalho e os meandros do seu percurso ela conta-os neste jornal.

A jovem cantora começou a fazer composições próprias aos 17 anos de idade, embora o “bichinho” pela música tivesse começado na tenra idade. Como ela mesma conta, ainda criancinha já ardia em si a chama de um dia vir a tornar-se cantora. “Sempre tive a música muito presente, quando criança antes de dormir e ao acordar, estava logo a cantar. Os programas de música sempre foram os meus preferidos. Até que um dia falei com o meu irmão e um primo sobre esta vontade incontrolável de cantar”, recorda. Depois de manifestada essa ambição, Cutana Carvalho contou desde logo com o apoio dos familiares, embora não tivesse ideia do estilo que hoje a identifica. Todavia, o contacto com o gospel surge por consequência de ter conhecido e ser temente da palavra de Deus. Como ninguém caminha só, a nossa interlocutora buscou referências em outros artistas, que a pudessem influenciar na carreira que abraçara. Nesse quesito, encontrou em muitas influências em Dodó Miranda, Yolanda Admas e Kim Burrell. “Dódo Miranda, pelo facto de ter uma musicalidade profissional, mantendo a sua raiz africana; Yolanda Admas pela disciplina vocal; Kim Burrell é carismática na forma de apresentação além das técnicas que aplica no canto. Já gostei muito de ouvir Laurin Rill e Mary G”, justifica.

Dificuldades

A dona dos temas como “Vai voltar”, “Quero te amar”, “Hoje eu tenho” e tantos outros, salienta que, apesar de ter abraçado o “mundo” gospel, esse estilo tem crescido, mas ainda não se pode viver única e exclusivamente desta sonoridade evangélica para se poder suster. Por essa razão, confessa que não vive ainda dos seus rendimentos do estilo cristão, porque, no caso de Angola, muitos que optaram pelo estilo manifestam-se descontentes. Alguns começaram em grupos, mas depois acabaram por abraçar projectos individuais, sobretudo os chefes de agregados familiares, cujo sustento provém da música. “O mercado gospel tem crescido paulatinamente. Existem hoje muitos fazedores do estilo. Ainda assim, há pouca concorrência. Nos eventos são sempre os mesmos rostos. A falta de apoios é outro aspecto que dificulta e, por isso, a minoria acaba tendo visibilidade”, lamenta.

Temática

A juventude é uma fase de aspirações realizações. Porém, Cutana mostra-se preocupada ao ver jovens envolvidos no uso abusivo de álcool, na delinquência, prostituição e demais más práticas, quando deviam buscar a palavra de Deus, pois através dela pode-se mudar o estado espiritual e social de qualquer indivíduo. Daí as suas temáticas também direcionarem-se nesse sentido. Por outro lado, revelou-nos que se tivesse que adoptar por um outro estilo musical, talvez optasse numa mistura de massemba com jazz, pelo facto de estarem mais próximo dos ritmos africanos. Entre alguns projectos, Cutana tem em curso a apresentação de um max single, a promoção de concertos de carácter intimistas bem como almeja realizar um tour internacional a fim de mostrar o seu potencial artístico, por via da sua música.

Perfil

De sua graça Isabel Paula Cutana De Carvalho nasceu a 13 de Março, nas Ingombotas, em Luanda. Fortunato Jacinto de Carvalho e de Laurinda Cardoso Cutana são os seus progenitores. Já participou em vários trabalhos de artistas gospel e actualmente já terminou o seu max single, sob produção da Valam Home Stúdio. Solteira, gosta de ouvir músicas com mensagens educativas e motivadoras. Frequenta a igreja Assembleia de Deus e tem na Trindade santa (Jesus, Maria e José), fontes de inspiração. O seu perfume elegível é Hipnotic Poison Dior e os Estados Unidos da América como a viagem dos sonhos. Nos tempos livres lê, ensaia e gosta de estar com os amigos. O filme “Quarto de Guerra” é o seu preferido.