Juiz invalida plano de Trump para facilitar o despedimento de funcionários públicos

Uma juiz federal invalidou a maior parte de um plano do presidente norte-americano para facilitar o despedimento de funcionários públicos e reduzir o tempo que podem dedicar a actividades sindicais Uma juiz federal invalidou, este fim de semana, a maior parte de um plano do presidente norteamericano Donald Trump, para facilitar o despedimento de funcionários públicos e reduzir o tempo que podem dedicar a actividades sindicais.

A ordem emitida à última hora de Sexta-feira pela juiz, Ketanji Brown Jackson, de um tribunal federal de Washington, representa uma vitória para os sindicatos que representam o sector público nos Estados Unidos, face às ordens executivas de Trump que penalizavam os trabalhadores. Vários sindicatos que representam os funcionários que trabalham para o governo federal interpuseram uma acção judicial para impedir que as medidas entrem em vigor, o que originou a decisão de Sexta-feira.

A juiz Brown Jackson sustenta que as medidas de Trump “limitam o direito dos funcionários públicos à negociação colectiva”, e que “o presidente excedeu a sua autoridade ao proclamá-las”. Desde a campanha presidencial, Trump tem mostrado interesse em reduzir o peso dos trabalhadores da administração pública em Washington que considerou de estar cheio de “despesismo, fraude e abuso” e que suspeita estar mais próximo da oposição democrática do que dele.

O ex-presidente da câmara dos representantes, Newt Gingrich, disse no ano passado que 99% das doações de trabalhadores do Departamento de Estado e 97% da Justiça durante a campanha presidencial de 2016 foram para a democrata Hillary Clinton.