Mulheres especiais

Delmise é uma mulher angolana, luandense, que se virou para uma naka no Cuanza-Sul. Produz ananás, mamão, melancia e outros frutos. Mas não é tudo, sempre que pode, arrasta amigos médicos para as aldeias vizinhas; já levou gente de conservatórias.

POR: José Kaliengue

Quer que as crianças tenham registo e boa saúde, explicando como se combate a malnutrição com ingredientes do campo. Entretanto, ensina às mulheres locais a confecção de broa e quer pô-las no negocio da cestaria. Lwana abriu o coração e a casa e trabalha com meninos talentosos, quer que eles descubram a arte da vida. Alberga jovens artistas de outras províncias a estudar em Luanda. Montou uma residência artística e luta para que o mercado valorize as obras dos seus pintores e escultores. Lwana é um sorriso que inspira poemas e pinturas. Tchissola bate portas de quem tenha um livro para depois transformar vidas. Benguela, Namibe, Lubango e Luanda são os seus palcos de actuação, para já, mas no silêncio das letras. Centenas de crianças e jovens lêem pela primeira vez um livro vindo das suas mãos. Ela está a disseminar clubes de leitura pelas periferias. Contemporâneas destas três mulheres que nasceram e cresceram nos mesmos meios preferem preocupar-se com o rímel, batom, festas e marcas. Apenas com isso. Há outras jovens entregar-se a causas nobres, aos outros, sem holofotes, moldando vidas. Elas têm alguma coisa especial, uma preocupação com outros seres humanos, com o futuro. Sim, são mulheres especiais.