Carta do leitor: Nos mandaram parar

Caro director, Eu não acredito no que os meus olhos veem de cada vez que me meto numa estrada nacional, o que tenho de fazer por razões profissionais. nem no que vejo, nem no que sinto, as nossas estradas envelhecem as pessoas, é muita pancada.

POR: João Lopes Araújo Cortim
Luanda

Eu não acredito que ao longo de todo o processo de degradação do asfalto o Estado não tivesse algum dinheiro para reparar cada buraco e manter as estradas, avisos não faltaram, vontade sim, esta faltou e sabe-se lá por que razões ou contas. neste momento, na prática, nos mandaram ficar em casa, não há estrada para ninguém, só mesmo por razões importantes ou pelo trabalho é que alguém se aventura nas nossas estradas. Para cúmulo, já estamos na Só para dar mais raiva, o governo decidiu anunciar agora os seus “milagres” que já sabemos que não virão. Só quem não ande pelo país acredita que a recuperação das estradas será feita nos prazos indicados. Sabemos bem o que vemos. Se cumprirem os prazos, então teremos outra vez obras mal feitas. Eu não quero acreditar, mas a realidade é esta mesmo, temos coisas parecidas, mas não temos estradas, lhes chamamos assim só por simpatia.