Carta do leitor: Futebol feminino votado às ortigasd

Director do jornal OPAÍS, obrigado pela oportunidade que me concede neste espaço. Sou cidadão angolano nascido no distrito urbano do Rangel, vivo na rua da Ambaca, em Luanda.

POR: Carlos Alberto
Kilamba . Luanda

Estou muito preocupado com o futuro do futebol feminino, que, na verdade, já teve momentos áureos nos anos 1990, com Guigui, Irene Gonçalves, Veró, atletas que espalharam o perfume das suas fintas em vários estádios do país. Ora bem, foram realizados os campeonatos nacionais de sub-17 e sub-20 de masculinos na cidade capital, mas onde está o Nacional jovem para as senhoras? Pelo que verifiquei, acho que o actual elenco da Federação Angolana de Futebol (FAF) não quer saber do futuro do futebol feminino, porque as provas para os jovens devem ser organizadas , aproveitando o período de férias escolares e eu não vi nada!. Neste sentido, acredito que o presidente da FAF, Artur Almeida e Silva, terá o fracasso dos seus antecessores. Aliás, na campanha eleitoral o actual presidente prometeu massificar o futebol feminino, mas pelo que vejo não há ninguém a responder por esta área. Na verdade, estou a reclamar porque sei que há clubes como o 1º de Agosto, Interclube, Progresso do Sambizanga, Académica do Lobito, só para citar alguns, que estão a trabalhar na massificação, mas para incentivar as meninas é necessário que haja provas nacionais. Artur Almeida e Silva, por favor, ou melhor, sem favor nenhum, execute só o que prometeu”.