JES: “esta homenagem é de grande significado para a minha pessoa”

O Movimento Nacional Espontâneo (MNE) homenageou, ontem, em Luanda, o presidente do MPLA, José Eduardo dos Santos (JES), como “Arquitecto da Paz”

texto de: Neusa Filipe
fotos de: Jacinto Figueiredo

Durante uma cerimónia que decorreu no Clube dos Caçadores, no Miramar, foi entregue a José Eduardo dos Santos uma medalha de mérito e uma faixa “Arquitecto da Paz” pelo presidente do Movimento Nacional Espontâneo, Justino Fernandes.

Na ocasião, José Eduardo dos Santos, acompanhado pela filha, Tchizé dos Santos, mostrou-se profundamente grato pelo gesto do MNE, alegando que o mesmo sempre foi de grande apoio para o êxito das suas funções enquanto Presidente da República e também como presidente do MPLA.

Lembrou que o Movimento nunca deixou de lhe prestar apoio no exercício das suas funções no sentido de as tornar próximas do cidadão e interactivas com a sociedade em geral. “Aceitei com bastante satisfação o convite para estar presente nesta cerimónia carregada de grande significado para a minha pessoa”, disse José Eduardo dos Santos.

Considerou activa e inestimável a colaboração do Movimento, sobretudo durante os períodos difíceis que a nação angolana viveu em determinados momentos da sua história recente. JES disse ter, por essa razão, grande apreço pelas acções desenvolvidas pelo MNE no âmbito da promoção da cidadania, da paz, da ética e da democracia, sensibilizando os cidadãos para a importância das principais políticas públicas adoptadas pelo Governo e, sobretudo, para a necessidade da sua participação e envolvimento para que as mesmas fossem materializadas com êxito.

Salientou que o Movimento, neste sentido, sempre pugnou pelo convívio saudável entre os angolanos, sem preconceitos de qualquer natureza, sem intolerâncias, ajudando a cimentar e a fortalecer a unidade nacional, a reconciliação e a fazer reinar o espírito de fraternidade no seio da sociedade.

Lembrou ainda o apoio concedido pelo MNE e por outras organizações da sociedade civil às campanhas de registo eleitoral e ao processo eleitoral para que as mesmas se realizassem com o máximo de participação e de forma ordeira e pacífica. JES disse reconhecer que sem esse apoio não seria possível, ou seria mesmo muito difícil, ver realizada a missão que exerceu durante vários anos.

“Estou verdadeiramente agradecido a todos, individual ou colectivamente, que contribuiram para que eu pudesse colocar uma pedra na edificação do nosso país como Estado soberano e Independente”, concluiu José Eduardo dos Santos, que esteve ainda na companhia do governador da província de Luanda, Adriano Mendes de Carvalho, do presidente da Fundação Sagrada Esperança, Roberto de Almeida e de outros membros do Bureau Polí