loader

Fórum de mulheres Jornalistas preocupado com inclusão económica

O Fórum de Mulheres Jornalistas para a igualdade de Género (FMJiG) está a preparar um projecto denominado “medias pelos direitos económicos”, cujo objectivo é a inclusão económica das mulheres

Texto de: Neusa Felipe

A directora do gabinete de gestão de projectos e portavoz deste fórum, Suzana Mendes, em entrevista, ontem, a OPAÍS, explicou que o projecto visa retirar as mulheres do mercado informal.

A fonte esclareceu que o principal objectivo do referido projecto é reforçar a presença das mulheres no mundo dos negócios, para que tenham as mesmas oportunidades e retirar as que estão no mercado informal, dando-lhes a oportunidade de fazer um negócio formal. Para a efectivação deste propósito, a sua instituição está a preparar uma campanha de sensibilização para que o projecto tenha maior adesão das mulheres.

Esta actividade começará em Luanda, onde está a maior concentração populacional de mulheres no mercado informal, e, seguidamente, estender-se-á às outras províncias do país. A inclusão das mulheres neste projecto, segundo a jornalista Suzana Mendes, visa também conferir-lhes maior comodidade e retirar-lhes dos riscos durante as suas actividades no mercado informal.

Sobre o FMJIG

Sobre as actividades do Fórum das Mulheres Jornalistas para a Igualdade do Género(FMJIG), Suzana Mendes explicou que na sua existência, desde há noves anos, tem desenvolvido várias projectos. Mas o maior foco desta organização não-governamental angolana está no desenvolvimento de projectos que visem a igualdade de género com e através da comunicação social.

O seu trabalho, segundo ainda Suzana Mendes, envolve muito os órgãos de comunicação social através das novas plataformas de comunicação, entre as quais as redes sociais. Trata-se de um trabalho de sensibilização e divulgação do conceito de igualdade de género, desenvolvendo actividades e acções de luta que visem o alcance deste objectivo. Sublinhou que qualquer profissional da comunicação social pode fazer parte do fórum, basta demonstrar o interesse e ter um comprometimento com a causa da igualdade de género.

“A nossa ideia inicial era que o Fórum reunisse apenas mulheres, mas o envolvimento de homens colegas de profissão foi tão grande que agora temos também homens a fazerem parte da associação, inclusive nas direcções de alguns núcleos, e o seu contributo tem sido muito grande”, disse. Explicou que a visão da luta pela igualdade de género não se cinge somente em mulheres “e não será possível alcançá-la só com mulheres”, alertou.
igualdade de género em angola A fonte considerou que a luta pela igualdade de género no país ainda é muito longa, salientando que não se deve olhar só para os níveis de topo como os ministérios e o Parlamento, mas também para o nível intermédio e o de base.

“Temos ainda muito poucas mulheres como directoras de escolas, Suzana Mendes, directora do gabinete de gestão de projectos FMJIG como administradoras e como líderes de empresas. Há muito ainda a ser feito nesse sentido”, concluiu a responsável. Refira-se o FMJIG reúne mais de 100 jornalistas em todo o país, com núcleos instalados nas províncias de Benguela, Cuando Cubango, Bengo e Huambo.

Últimas Notícias