Cineasta ucraniano preso na Rússia vence Prémio Sakharov 2018

O cineasta ucraniano Oleg Sentsov, que cumpre uma pena de 20 anos de prisão na Rússia após se ter oposto à anexação da Crimeia, é o vencedor do Prémio Sakharov 2018, anunciou hoje o Parlamento Europeu (PE) em Estrasburgo.

Sentov foi o escolhido pela Conferência de Presidentes do PE numa lista que incluía também um grupo de organizações não-governamentais (ONG) que resgata migrantes no Mediterrâneo e o ativista político marroquino Nasser Zefzafi.

Os finalistas da edição deste ano do Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento do Parlamento Europeu tinham sido seleccionados a 9 de outubro, pelos eurodeputados das comissões dos assuntos externos e de desenvolvimento. O galardoado  foi hoje  eleito  pelo Presidente do Parlamento Antonio Tajani e pelos líderes dos grupos políticos.
Oleg Sentsov é um cineasta ucraniano, condenado a 20 anos de prisão por “planear atos terroristas” contra a regra “de facto” russa na Crimeia. Sentsov esteve em greve de fome entre meados de maio deste ano até 6 de outubro, data em que decidiu terminar essa forma de protesto por ameaça de ser alimentado à força.
O Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento é uma homenagem ao físico soviético e dissidente político Andrei Sakharov e é atribuído todos os anos pelo Parlamento Europeu. Criado em 1988, recompensa personalidades ou entidades que se esforçam por defender os direitos humanos e as liberdades fundamentais. Este ano o Prémio assinala o seu 30º aniversário.
Na edição do ano passado, o Prémio foi atribuído à Oposição Democrática na Venezuela.17 e condenado a 20 anos de prisão por “conspiração contra a segurança do Estado”.  O galardão será atribuído a 12 de dezembro, durante a sessão plenária do Parlamento Europeu.

O bispo emérito angolano, Dom Zacarias Kamuenho,  foi o primeiro Angolano a ganhar o Prémio Sakharov pelos Direitos Humanos do Parlamento Europeu, em 2001.
 

 

 

error: Content is protected !!