Tournée “Somos Angola” resulta em documentário biográfico de Matias Damásio

Depoimentos na primeira pessoa do artista (Matias Damásio), de familiares, amigos, colegas e fãs marcam o registo do documentário “O Homem por trás do Artista”, num misto de sentimentos, resultante da tournée “Somos Angola, Somos Cuca”, ocorrida em sete cidades do país, entre os meses de Março e Maio de 2018.

O referido documentário estará disponível ao público juntamente com o mais novo álbum discográfico de Matias Damásio intitulado “Augusta”, na Praça da Independência, em Luanda, para venda e sessão de autógrafos, numa homenagem à avó de criação (Augusta Georgina Tchikunhala), a que se estende a todas às mulheres da vida do artista e do mundo. No documentário estreiado esta Quarta-feira, 30, para imprensa e convidados, pode-se ver o carinho e o afecto que o público demonstra pelo artista pelo road show às sete cidades do país num percurso de de 6 mil e 500 quilómetros desde o Soyo, Malanje, Lubango, Uíge, Benguela e Luanda. O artista começa por falar de amor, uma temática muito ouvida nas suas composições, ao que considera o sentimento mais importante na vida de um ser humano.

E lembra para o efeito, o tema “Mboa Ana”, o seu primeiro hit e “A outra”, em que fala da “mutilação” de uma afeição que não pode ser partilhada. “A outra é precisamente uma mulher que a sociedade a condena por apaixonar-se por um homem comprometido. E em função disso ela chora, questiona e pede desculpas porque também tem os seus sentimentos e ama. Uma situação muito comum, em sociedades modernas”, referiu o artista em tom de emoção. Matias Damásio fala ainda sobre os temas hoje muito bem-sucedidos na ribalta artística nacional e internacional, e a explicação para o almejado sucesso, aponta a persistência, o foco e a determinação, pois o que fazia inicialmente e ao que tornou-se nem tudo foram rosas.

Antes do sucesso

Hoje pode dizer-se que é um músico de bastante sucesso, tendo ganho vários prémios nacionais e internacionais, mas antes que tal acontecesse, o músico fez revelações profundas sobre o seu passado, onde o objectivo era apenas cantar para que conseguisse um prato de comida. Fruto do conflito armado vivido em Angola, Matias Damásio foi obrigado a sair do seu habitat natural (bairro da Lixeira em Benguela) e teve que procurar um lugar ao sol na cidade capital, embora antes tenha ido parar à província do Cuando Cubango. Em Luanda, engraxou sapatos, foi escamador de peixe, tocou em bares, ficou horas à porta da Rádio Nacional, para que tivesse uma oportunidade, tentou em vários concursos e se foi notabilizando pelo talento apesar dos altos e baixos, nunca o levou a que desistisse.

O álbum

O seu mais recente álbum “Augusta”, que chega ao público já neste Sábado, de acordo com a crítica prevê-se que venha a ter o mesmo ou igual sucesso aos anteriores “Victória”, “Amor e festa na Lixeira” e “Por Amor”. “Augusta” comporta doze faixas musicais, e o artista mostrou ao vivo algumas delas em que se destacam, “7 Chaves”, “Teu Olhar”, “Juro por Tudo”, “Só Para Te Abraçar” “Alma Gémea”, “Fecha a Porta”, “Semba do Pé”, “Voltei com Ela”, “Faltou Coragem”, “Meu Vício”, “Nada Mudou” e “Teu Olhar”

Show do Mês

O artista vai apresentar- se a partir desta Sexta-feira, até ao Domingo (Show extra), no concerto mensal adstrito ao projecto Show do Mês, sob a chancela da produtora Nova Energia, no Royal Plaza Hotel, em Talatona. O músico vai apresentar os seus principais sucessos, que tem marcado a sua carreia até a presente data, inspirado às influências da Rumba Congolesa, sem deixar de fora a Kizomba e o Semba canção.