Produção de milho para substituir as importações em discussão na Huíla

Aconteceu, Quinta -feira, 1, na cidade do Lubango, o primeiro colóquio que abordou a fileira de produção do milho, e a cadeia de produção no âmbito do Programa de Apoio à Diversificação das Exportações em substituição das importações (Prodesi). A abertura do evento esteve a cargo do ministro da Economia e Planeamento, Pedro Luís da Fonseca.

Na ocasião, o ministro da Economia e Planeamento, Pedro Luís da Fonseca, referiu que a prioridade do governo passa por aumentar a fileira de produção de milho e apostar nas sementes melhoradas. Durante a actividade foram debatidas questões como o fomento do milho, desenvolvimento da cadeia de valor do cereal no chamado “Triangulo do milho na província da Huíla”, bem como o surgimento do Centro Integrado de Multiplicação de sementes.

O responsável apelou ao aumento da competitividade e dos índices de produtividade do milho, de modo a substituir a importação do produto. Por sua vez, o governador da Huíla, Luís Nunes, reafirmou o compromisso de continuar a estabelecer parceria com empresas privadas para garantir a formação prática de estudantes na área agrícola e o fomento da produção familiar. Segundo o especialista, o milho hibrido é o resultado do cruzamento entre duas linhagens puras e é indicado para o sistema de produção de alta tecnologia, tendo em conta o seu potencial produtivo. “Com as sementes melhoradas, o país está em melhores condições de atingir as metas preconizadas para os próximos anos na produção de milho”, disse o especialista.

Disse ainda que as sementes de milho, geneticamente modificada (hibridas), trazem maior produtividade à actividade e com muitos ganhos, com destaque para a redução dos factores de produção (uso de água e fertilizante), garante maior uniformidade, maior resistência a pragas e doenças, tal como, melhor conservação pós-colheita e redução de sementes utilizadas por unidade de área. Em Abril do corrente ano, os ministros da Economia e Planeamento e da Agricultura e Florestas, Pedro Luís da Fonseca e Marcos Nhunga, respectivamente, realizaram jornadas de campo na Huíla e outras regiões do país para avaliar os níveis de produção de milho. O encontro juntou produtores de milho das províncias de Benguela, Cuanza-Sul, Malanje, Uíge, Bié e Huambo.