Carta do leitor: Benefício para os mesmos

Caro director, Eu estou um bocado perdido com as medidas do nosso Governo. O Presidente autorizou a importação, de novo, de peças de automóveis usadas, mas parece que não pensaram bem nas novas medidas da Operação Resgate.

POR: António Lopes

A maior parte das peças usadas são vendidas nas “cantinas das peças”, ou seja, numas lojas de construção precária ou nos armazéns junto das praças. Agora, se o Governo diz que não de pode vender assim, então os clientes só terão as concessionárias para recorrer, mas todos sabemos que as nossas concessionárias e representantes cobram os olhos da cara por qualquer coisa. Eu também já tive uma experiência, um dia me bateram, o seguro mandou lá, o carro ficou muitos meses, o orçamento era assustador e depois descobri que a concessionária afinal nem tinha posto peças novas e nalguns casos nem trocou. Isso foi no Lubango. Mas também já aconteceu com o meu irmão aqui em Luanda. Então, mesmo que o Governo quer acabar com o roubo de carros, porque alguns ladrões desfazem os carros e vendem peça a peça bem barato, então é preciso ver bem isso, porque quem fica prejudicado é o cliente e os representantes de marcas é que ficam beneficiados, são sempre eles. O Governo deve dr vigiar só bem os vendedores de peças que ajudam o povo, os pobres, porque nem todos temos dinheiro para comprar cinco ou seis vezes mais caro. Esta Operação Resgate parece que não foi bem pensada, só vai prejudicar o povo.