Aberto curso intensivo de língua nacional Kimbundu na União dos Escritores Angolanos

A acção formativa, que se prolongará até ao dia 2 de Fevereiro de 2019, é uma iniciativa da UEA, em parceria com o Círculo de Estudos Literários e Linguísticos Litteragris

Texto de: Augusto Nunes

Quarenta e três formandos, entre angolanos e estrangeiros, participam desde Sábado, 3, no I Curso Intensivo de Língua Nacional Kimbundu, na União dos Escritores Angolanos em Luanda. A acção formativa, que se prolongará até 2 de Fevereiro do próximo ano, está a ser orientada pelo professor Miguel Lubwato e tem como objectivo despertar o interesse pela aprendizagem desta língua nacional de modo a que se conheça melhor a cultura nacional por intermédio deste idioma.

No capítulo educativo, referiu que a organização pretende fazer sentir a importância de comunicar em Língua Nacional Kimbundu como factor de identidade cultural. Trata-se duma iniciativa inserida no projecto de capacitação linguística, valorização e promoção das línguas nacionais e o programa de formação estrutura-se em três fases distintas: do conhecimento, da habilidade e dos valores.

No que diz respeito ao conhecimento, o docente recordou que um povo sem língua, é um povo sem cultura, sem identidade, sem valor, sem história e sem rumo.

Realçou, que neste capítulo, o estudante saberá falar e escrever correctamente para comunicar, ouvir e ler correctamente e perceber o que está a ser transmitido para que se sinta socializado ou fazer parte na resolução, perpetuação e valorização da cultura do seu país. Já em relação às habilidades, adiantou que o aluno deve ser capaz de comunicar de forma oral e escrita em língua nacional Kimbundu, usar esta língua materna como forma de preservar, perpetuar, valorizar a sua identidade cultural e desenvolver a sua comunidade.

Já no que diz respeito a valores, referiu que nesta disciplina, o formando é dotado de valores que lhe possibilitam conviver harmoniosamente com os outros membros no exercício das suas funções, bem como valorizar as línguas nacionais no que tange a identidade cultural e do desenvolvimento do seu povo.

Planeamento e organização dos temas da disciplina

Neste capítulo, o professor Miguel Lubwato, fez saber que programas que gizam o ensino de uma língua nunca são completos, uma vez que vão sofrendo mudanças de acordo com as necessidades circunstanciais que poderão ser apresentadas pelos estudantes ou no decorrer das aulas. Salientou que o conhecimento que estes possuem sobre a língua a ser ensinada, poderá também ser fundamental na elaboração do programa, mas existem unidades e temas-chaves que, do seu ponto de vista, são indispensáveis para a estrutura de um programa ou o ensino de uma língua.

As aulas serão realizadas aos Sábados, das 14 às 18 horas, no auditório da União dos Escritores Angolanos, uma iniciativa inserida no projecto de capacitação linguística, valorização e promoção das línguas nacionais.
O Movimento Litteragris é uma agremiação artístico-literária juvenil com um pendor de academia, fundada no dia 17 de Outubro de 2015, na União dos Escritores Angolanos.

Nasceu da necessidade de ampliar os espaços de transmissão de conhecimentos literários, que até então era apenas tarefa da Faculdade de Letras, ISCED e da União dos Escritores Angolanos, através do seu programa esporádico, «Makas à Quarta-Feira». As suas maiores actividades são as aulas de Filosofia e Arte, Introdução aos Estudos Literários, Língua Portuguesa, Literatura Angolana e Análise Literária, realizadas aos Domingos das 14 às 17 horas e 30 na Escola 5004,localizada na Vila de Viana, em Luanda.

error: Content is protected !!