Aumento da produção potencia sector agro-alimentar

O aumento da produção agro-pecuária poderá potenciar e estabilizar o sector agro-alimentar no país, com vista a garantir melhor qualidade de vida aos cidadãos, considerou Sábado, em Luanda, o secretário de Estado para a Agricultura e Pecuária, Carlos Alberto Jaime Pinto

O dirigente falava à imprensa, durante uma reunião de apresentação do relatório da visita de campo de técnicos franceses nas províncias de Malanje e Huambo e referiu que o Executivo angolano está a trabalhar no sentido de sanar as dificuldades existentes no referido sector, e que a cooperação com a França constitui uma iniciativa para reforçar a capacitação de técnicos angolanos em matérias da agro-pecuária.

Afirmou que o reforço da cooperação entre Angola e França vai centrar-se, essencialmente, na capacitação de professores e técnicos, visando o fomento das pesquisas e a profissionalização dos alunos, para que haja uma adequação entre a formação e a demanda do mercado. Referiu que com essa cooperação, o país sairá a ganhar, na medida em que vai dinamizar e potenciar o sector agro-alimentar.

Na ocasião, o docente da Montpellier SupAgro (instituição superior de formação agrícola de França), Guillaume Baud, esclareceu que esta cooperação poderá dar vazão a pesquisas aplicadas as necessidades do país, em aspecto da transformação da produção agrícola, o que requer formação de recursos humanos qualificados.

A delegação de peritos franceses é integrada pelo conselheiro Agrícola da França para África Austral, docente da Montpellier SupAgro e o encarregado agrícola da embaixada de França em Angola. Em Angola, desde Segunda-feira última, os responsáveis já visitaram instituições de investigação agronómica e veterinária do Huambo.

O governo francês já fez saber que tem linhas de crédito abertas para Angola avaliadas em 250 milhões de euros. A Agência Francesa de Desenvolvimento já mobilizou 150 milhões de euros para projectos relativos ao abastecimento de água, além deste novo plano para o sector agrícola, decorrendo um processo de identificação de novos objectivos.