Samakuva defende uma revolução pacífica e eficaz

O presidente da UNITA , Isaías Samakuva, assegurou ontem, em Luanda, que é possível mudar Angola com uma terceira revolução, pacífica e eficaz, visando o resgate da cidadania para a refundação do Estado e a construção de um novo rumo para o país.

Isaías Samakuva defendeu que o país precisa de uma revolução no sentido positivo, para transformar de modo pacífico e radical o seu sistema de educação e ensino, o da saúde, de produção, o sistema de valores, o de governo e a sua cultura de governação. Ele compreende que o país precisa de sair da letargia para renascer. O político, que discursava na abertura do IV Congresso Ordinário da JURA, que decorre até 10 do mês em curso, no Sovismo, sob o lema “JURA, nova etapa, nova dinâmica para a vitória”, manifestou ser o que pretendia o seu partido com a criação do GIP (Governo Inclusivo e Participativo). Considerou ser o desafio para a JURA e de toda a juventude angolana, independente da sua cor política. “O objectivo da JURA é unir a juventude angolana em torno de projectos transformacionais capazes de transformar positivamente, no tempo e no espaço, a realidade social do país”, disse.

Resgate da cidadania

Samakuva considerou que o resgate da cidadania é uma tarefa mais profunda e abrangente, que visa resgatar a República, que deixou de se basear na vontade soberana do povo, para se basear primeiro na vontade de um pequeno grupo de políticos. Resgatar o Estado que foi capturado por uma oligarquia, resgatar a cultura, os valores morais, os pilares da coesão familiar, resgatar os dinheiros roubados, a moral pública, os direitos e liberdades fundamentais. Considerou ser um processo eminentemente político, que mexe com os fundamentos da República e que vai conduzir ao estabelecimento de uma nova República, visto que o resgate da cidadania resultará da convergência de políticas eficazes, concebidas em conjunto com a população desfavorecida que foi vítima da inércia e da ineficácia da administração pública.

Operação resgate

O líder do “Galo” manifestou que a operação resgate, que “está a ser levada a cabo pela Polícia Nacional”, parece ser um simples processo administrativo, que, a seu ver, as autarquias locais poderiam fazer, se estivessem instituídas. Samakuva apelou que pretende ver aos membros da JURA nas ruas, fora dos gabinetes, trabalhando activamente no desenvolvimento da consciência cívica, social e comunitária dos cidadãos, para os fazer participar mais na resolução dos problemas sociais. “Quem quer que seja eleito, vai trabalhar para servir os anseios e as aspirações de toda a juventude angolana”, esclareceu.

Mensagem dos visitantes

Por outro lado, o líder da Juventude do Partido Socialista de Portugal (PS), Filipe Dias Barroso, felicitou a JURA pela vitalidade democrática, pelo facto de concorrerem oito candidatos para a sua liderança.Já o secretário-geral da JMPLA, Luther Rescova, manifestou votos para que os objectivos preconizados para o congresso sejam alcançados e que a JURA esteja mais fortalecida para ajudar naquilo que são os problemas da juventude angolana. O encontro contou com a presença de dirigentes do partido, representante do Partido Socialista Português Filipe Barroso, o líder da Juventude do Partido Popular Democrático em Movimento da Namíbia, Yvete Araes, representante da embaixada Americana, do Bloco Democrático, representantes da JURA em França, África do Sul e delegados a nível nacional.

error: Content is protected !!