Exposição homenageia “centenário” do cineasta sueco Ingmar Bergman

A mostra promovida pela embaixada da Suécia em Angola, inaugurada na Terça-feira, 13, fica patente até ao dia 24 do corrente mês. A mesma conta com participação de uma estilista, um fotógrafo e um cineasta, todos angolanos, que produziram obras inspiradas nos filmes de Ingmar Bergman.

Está patente no Espaço Luanda Arte (ELA), a exposição de quadros de fotografias e indumentárias, inspiradas nas obras do cineasta sueco Ingmar Bergman, com o objectivo de assinalar o seu centenário. A mostra promovida pela embaixada da Suécia em Angola, inaugurada na Terça-feira, 13, fica exposta até ao dia 24 deste mês, e conta com a participação de três artistas angolanos, a estilista Ana Loyd, o cineasta Ery Claver e o fotógrafo Ivan Café Lopes. Os artistas produziram indumentárias, fotografias e uma curta-metragem do filme “Lúcia no céu com Semáforos”, inspirados nos trabalhos do cineasta sueco Ingmar Bergman.

O embaixador da Suécia em Angola, Lannart Killander Larsson, em conversa com OPAÍS, referiu que o seu país através do Instituto Sueco pensou em celebrar a data, mas por se tratar de um artista pouco conhecido em Angola convidaram os talentosos angolanos para integrarem o projecto. “Se ele estivesse vivo faria 100 anos. Não é tão fácil apresentar as obras do artista em Angola, porque poucos o conhecem. Por isso, convidamos estes artistas para fazerem parte do projecto. Eles assistiram a algumas obras cinematográficas de Bergman, que serviram de inspiração para a produção das obras expostas”, explicou o diplomata.

O embaixador disse tratar-se de uma parceria cultural entre os dois países e realçou que, além da exposição servir para homenagear o trabalho de Ingmar Bergman, visa também divulgar as obras do artista. O diplomata considerou importante preservar e defender os aspectos culturais, por servirem de identidade a uma sociedade. Lannart Killander Larsson considerou ainda que “A cultura tem uma outra linguagem. Muitos conhecem-na mesmo sem falar a mesma língua. Através do cinema, moda e filmes podemos nos comunicar culturalmente. Com esta exposição podemos mostrar que dá para fazer arte através do cinema”, considerou o embaixador.

Os artistas

O fotógrafo Ivan Café Lopes considerou a iniciativa desafiante, pelo facto de lhe permitiu entrosar os dois países culturalmente. O retratista realçou que as 12 fotografias expostas retratam cenas dos filmes produzidos pelo cineasta sueco. Quanto ao projecto, Ivan Café Lopes avançou que se trata de um trabalho elaborado no período de três meses, facto que considerou promissor, pelo facto de, no princípio, desconhecer as obras de Ingmar. Por sua vez, a estilista e professora do Instituto Superior de Artes, Ana Loyd, apresentou uma indumentária inspirada no filme “Gritos e sussurros”, peças estas produzidas pelos seus alunos.

Iniciativa satisfaz MINCULT

A secretária de Estado da Cultura, Maria da Piedade de Jesus referiu que o Ministério da Cultura presta homenagem ao projecto, pelo facto de integrar jovens angolanos interessados nos trabalhos de Bergman, mas sobretudo a interacção que há entre as duas culturas. “Este trabalho é uma visão daquilo que os jovens artistas têm sobre o trabalho de Bergman. A embaixada podia muito bem apresentar um trabalho do cineasta, mas entendeu fazer essa interacção entre os dois países”, disse a secretária de Estado da Cultura. Maria da Piedade de Jesus considerou que a iniciativa irá intensificar o intercâmbio cultural entre os dois países, que segundo ela, vai melhorar no decorrer do tempo.