Execução do Projecto Bom jesus Calenga satisfaz BAD

O director executivo do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), Heinrich Mihe Gaomab II, mostrou- se ontem, Quarta-feira, na comuna da Calenga, município da Caála, 33 quilómetros da cidade do Huambo, satisfeito com a execução do projecto Bom Jesus Calenga.

Falando no termo de uma visita de constatação, admitiu que a iniciativa, inserida no programa de combate à pobreza e à miséria nas comunidades rurais, está a surtir efeitos positivos. Informou que cerca de 12 famílias camponesas estão, neste momento, a beneficiar-se do projecto financiado pelo BAD em parceria com o Governo angolano, que visa melhorar as condições de vida da população do meio rural e valorizar a produção agro-pecuária.

Além do fomento da actividade agrícola, Heinrich Mihe Gaomab II deu a conhecer que o projecto permitiu construir diversas infra-estruturas sociais e melhorar as estradas secundárias e terciárias, para facilitar o escoamento da produção. Satisfeito com o que viu na comuna da Calenga, o director executivo do BAD manifestou a intenção de se fazer um novo estudo de viabilidade e avaliar outros projectos de ordem sócio-económica para a promoção do desenvolvimento nas comunidades rurais do país.

Também mostrou a necessidade de se levar a experiência do projecto Bom Jesus Calenga para outras regiões do país, tendo em conta os resultados positivos do mesmo e urgente necessidade de se promover o desenvolvimento sustentável nas comunidades rurais. Implementado entre 2006 e 2014, o projecto Bom Jesus Calenga contempla programas de assistência técnica agrícola, construção de escolas, postos de saúde, pequenos sistemas de abastecimento de água potável, armazéns de conservação dos produtos locais, reabilitação de pontes e estradas, distribuição de fertilizantes, sementes e expansão das áreas produtivas.

Neste âmbito, a comuna da Calenga ganhou quatro tractores com as respectivas alfaias, 16 armazéns, dois pequenos sistemas de abastecimento de água potável, duas escolas com as respectivas residências para os técnicos e dois postos de saúde. Também foram reabilitados 77 quilómetros de estrada e instalados grupos geradores para as unidades sanitárias. O Banco Africano de Desenvolvimento aplicou, neste projecto, mais de USD 3 milhões.