Turquia acusa os EUA de fazer vista grossa à morte saudita de Khashoggi

A Turquia acusou os Estados Unidos na Quarta-feira de tentar fechar os olhos ao assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi em Istambul, e rejeitou os comentários do presidente Donald Trump sobre o assunto como “cómico”.

Trump prometeu na Terça-feira continuar sendo um “parceiro firme” da Arábia Saudita, apesar de ter dito que o príncipe saudita Mohammed bin Salman pode ter sabido do plano de assassinato de Khashoggi, colunista do Washington Post. Sobre a possibilidade de o príncipe Mohammed ter participado no assassinato, Trump disse: “Talvez ele tenha, talvez ele não tenha”. Estes comentários contradizem a CIA, que acredita que a morte de Khashoggi foi ordenada directamente pelo príncipe herdeiro, o governante de facto da Arábia Saudita.

Numan Kurtulmus, vice-presidente do Partido AK, do presidente Tayyip Erdogan, descartou a avaliação de Trump. “A declaração de ontem é uma declaração cómica”, disse ele à emissora estatal TRT Haber. “Não é possível para uma agência de inteligência como a CIA, que sabe até a cor da pele do gato andando pelo jardim do consulado saudita (…) para não saber quem deu essa ordem”, disse ele. “Isso não é credível nem para a opinião pública dos EUA nem para a opinião pública mundial.” Desde o assassinato de Khashoggi no consulado saudita em Istambul no mês passado, a Turquia tem dito repetidas vezes que a ordem veio dos “níveis mais altos” do governo saudita, embora não tenha acusado directamente o príncipe Mohammed.

A Arábia Saudita negou que o príncipe herdeiro tenha ordenado o assassinato. Depois de oferecer várias explicações contraditórias, Riyadh disse na semana passada que Khashoggi havia sido morto e o seu corpo desmembrado quando “negociações” para persuadi-lo a retornar à Arábia Saudita fracassaram. Trump enfrenta pressão para romper com o príncipe saudita Trump disse que a Arábia Saudita, um grande produtor de petróleo, é um importante parceiro de negócios e um “grande aliado” na luta contra o poder iraniano no Oriente Médio. Após uma reunião com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em Washington, o ministro turco das Relações Exteriores, Mevlut Cavusoglu, disse que Ancara não está totalmente satisfeita com o nível de cooperação que está a receber da Arábia Saudita em relação ao caso. Cavusoglu disse que Ancara pode buscar uma investigação formal das Nações Unidas se a sua ligação com Riad chegar a um impasse.