Políticos portugueses dão nota positiva à visita de PR

Os políticos portugueses consideram oportuna a vista do Chefe de Estado ao seu país e destacam o facto de João Lourenço ter uma visão própria sobre o quadro de cooperação entre Angola e Portugal.

Para o socialista João Soares, a vontade manifestada por João Lourenço em estreitar as relações bilaterais “é sempre bom, para Angola e para Portugal”. João Soares entende que, como em todas as relações, os primeiros anos são sempre exigentes e que transformar as coisas do passado constituem sempre um desafio que diz acreditar puder vir a ser ultrapassado .

O político disse estar particularmente feliz por os dois países terem iniciado, finalmente, um quadro de cooperação “descomplexado” sublinhando que o principal significado daquilo que está a ser feito pelo Presidente da Angola desde que iniciou as funções tem a ver com isso. Ele manifestou o desejo de ver resolvidos todos os desentendimentos do passado pelo facto de, no seu entender, “haver um acervo comum de profunda fraternidade entre os dois povos”.

João Soares disse que se sentia feliz com o assumir da real democratização de Angola com o anúncio da realização das eleições autárquicas em Angola e com a alternância do poder o que , para o político luso, representa a afirmação decisiva da democratização do deste país. Quem disse que se sentia “particularmente emocionada” com a presença do estadista angolano no seu parlamento é a também deputada socialista Joana Lima. “Sentiu-se o calor humano, pelo semblante das pessoas, quando tocavam os hinos nacionais dos dois países , e isso é importante para as relações bilaterais”, disse. Ela lembrou que os dois países têm uma relação de séculos e uma amizade muito forte o que, do ponto de vista político e institucional, é sempre um grande passo”- Para o deputado do PSD, Aguiar Branco , Angola e Portugal não são concorrentes em matéria agricola mas há complementaridades naquilo que os dois países podem produzir e trocar entre si.

“A nossa cooperação não põe em causa os nossos agricultores”, sublinhou o político, para quem, há complematentaridades que precisam de ser aprofundados. “Nós celebramos um acordo de cooperação em Fevereiro de 2017 e concretizamos um plano de acção, há dois meses atrás, em Luanda, e estamos agora a dar a expressão concreta deste projecto de colaboração de acordo com as prioridades angolanas”,, sustentou, Aguiar Branco.