Invenção do novo cinto de segurança pode ajudar pessoas doentes e grávidas

com a barriga avantajada, o cinto de segurança pode tornar-se desconfortável. Mas não é aconselhável o não uso. Para contornar a forma como se coloca este acessório, Filipe Zinga, membro fundador da Associação Angolana de Inventores e Inovadores, trás como invenção, o cinto de segurança que se regula, para ajudar pessoas que têm problemas de saúde e mulheres grávidas, entre outras

Em entrevista exclusiva a OPAÍS, o inventor, Filipe Zinga, disse que não há nada melhor do que um cinto de segurança que se pode regular, principalmente por parte das pessoas que têm problemas de saúde ou mulheres grávidas, como também as que têm problemas de bexiga, sem esquecer as que sofreram intervenção cirúrgica

O cinto de segurança actual não tem um regulador e, por essa razão, modificou o seu cinto de segurança e tem sido bem sucedido com a sua experiência. Segundo o inventor, o objectivo desta invenção é ajudar as pessoas que têm problemas nos seus corpos na zona do estômago e barriga ou ainda na cintura, no sentido de usar o cinto de segurança não só por precaução, mas também com a possibilidade de poder ajustar o mesmo.

A ideia do inventor é que se introduza no cinto de segurança duas aberturas que sirvam de passagem para um palito do tipo “uvas secas”, que se usa para limpar os dentes depois de uma refeição.

Os furos são a parte importante do sistema, visto que sem eles não é possível definir as medidas certas para a regulação do cinto. Os furos devem ter a mesma distância e estar na região de cintura de qualquer corpo humano.

Apresentou a sua invenção ao Ministério da Indústria recebeu duas patentes ( é um título de propriedade temporária sobre uma invenção, outorgado pelo Estado aos inventores com o objectivo de proteger a sua criação), uma para regular o cinto e outra para fazer com que o mesmo não aperte o peito do usuário. “Coloquei três tubos onde o ar passa e o cinto assente por cima da roupa e não faça transpirar”, disse.

Fez saber que as duas invenções já foram entregues, no ano passado , à TOYOTA, mas esta,até agora, não o chama. Por essa razão, pensa que se não for chamado ainda este ano vai à África do Sul, Namíbia ou Coreia do Sul, porque estes últimos são os que abraçaram a ciência e a tecnologia e aceitam as novas ideias.

Também inventou o coLoPe

Ainda sobre invenções, Filipe Zinga contou sobre a sua antiga inovação do jogo ‘COLOPE’ que quer dizer Colocar o Pneu. O COLOPE é um desporto colectivo inventado em Angola e pode ser jogado por equipas que vão de três a nove pessoas, com o objectivo de colocar o pneu no cone, lugar preparado para tal, de forma a que o cone fique no meio do pneu. Dois cones são colocados nas extremidades do campo, onde se pratica o jogo.

Disse ainda que a ideia surgiu ao ver as crianças a brincar com pneus, bem como pelo facto de ver muitos pneus não usados deitados na cidade.

É um jogo para adolescentes que pode ser praticado num ginásio ou ao ar livre e a colocação do pneu no cone vale cinco pontos. Já foi apresentado na Feira Internacional de Inventores, que se realizou em Talatona, em 2013 e foi um sucesso.

Mas por falta de apoio não consegue continuar com o desporto, apesar de ter sido, na altura, bem aplaudido. Também não deixou de explicar que tem a invenção científica da Matemática Fácil, para que os alunos se familiarizem com os números, fazendo da matemática uma delícia.

Participando nestes jogos simples e agradáveis, qualquer pessoa descobrirá que a matemática não é difícil e que, pelo contrário, é fácil e muito útil. “Este jogo ‘Matemática Fácil’ estimula o gosto de fazer contas em forma de competição com amigos e colegas. Todos os anos realiza-se a Olimpíada Internacional de Matemática que é muito bom”, disse.

O jogo da Matemática Fácil é um instrumento valioso para os alunos, não só de Angola, mas de todo o mundo, que queiram aumentar e desenvolver os seus conhecimentos em matemática.

Hoje, 90 países no mundo, incluindo Angola, já participam daquela competição, e este jogo ajudará os participantes a terem melhor desempenho. Por invenção recebeu o certificado no Ministério da Cultura. Por falta de apoio tudo ficou como uma letra morta, mas não perde a esperança.