Cientistas chineses repudiam suposta edição genética feita por pesquisador local

Autoridades e cientistas chineses criticaram nesta Terça-feira as alegações de um geneticista que disse ter criado os primeiros bebês editados geneticamente, e um hospital ligado à sua pesquisa sugeriu que a aprovação ética do trabalho foi forjada.

Mais de 100 cientistas disseram em carta aberta que o uso da tecnologia CRISPR-Cas9 para editar os genes de embriões humanos, é arriscado, injustificado e fere a reputação e o desenvolvimento da comunidade biomédica chinesa. Em vídeos publicados na Internet, o cientista He Jiankui defendeu o que disse ter alcançado: a edição genética embrionária para ajudar a proteger gêmeas nascidas no início deste mês do vírus HIV, que causa a Aids.

“A caixa de Pandora foi aberta. Ainda podemos ter um vislumbre de esperança de fechála antes que seja tarde demais”, disseram os cientistas na carta, que foi publicada no site de notícias chinês The Paper. “A revisão ética biomédica para esta chamada pesquisa só existe no nome. Realizar experimentos directos em humanos só pode ser descrito como loucura”, disseram os cerca de 120 cientistas na carta escrita em chinês.