“Agricultura precisa de mais investimento do Estado”

O Executivo angolano prevê gastar 156,5 mil milhões de Kwanzas para o fomento da produção agrícola no próximo ano. O investimento representa um aumento comparativamente ao presente ano. Para o representante da Agrolider, João Macedo, é preciso mais investimento, pois a agricultura é um sector chave para a economia do país.

O próximo ano o Governo irá investir pelo menos 156,5 mil milhões de kwanzas para o sector agrícola e aplicar igualmente 32 mil milhões de Kwanzas para apoiar a produção, substituição das importações, diversificação das exportações e a exploração sustentável dos recursos aquáticos vivos . No fomento do sal serão investidos 343 milhões de kwanzas. De acordo com o empresário da Agrolider José Macedo, é preciso mais capital para a agricultura, no entanto, é uma medida acertada, pelo facto de o sector agrícola ser de grande importância para o país.

“A actividade agrícola merce toda a tenção do Executivo, é um sector primário e permite acabar com a fome e a pobreza das populações e tornar o país autossustentável”, explicou. Para ele, o valor investido irá motivar os camponeses a triplicarem a produção agrícola, de modo a pensar na exportação, arrecadar divisas e investimentos estrangeiros. Porém, é preciso aplicar o dinheiro em toda a cadeia produtiva da agricultura, nomeadamente, sementes, adubos, peças, tractores, sistemas de irrigação e outros.“O dinheiro deve apoiar os produtores, de modo a diversificar a economia e aumentar os níveis de produção agrícola”, explica. Por sua vez, para a empresária Filomena Oliveira, é uma medida salutar, no entanto é necessário uma democracia económica e oportunidade para os empresários terem acesso ao referido fundo que irá apoiar a actividade agrícola.

Segundo Filomena Oliveira, é preciso procurar mais fundos para investir no sector agrícola e apoiar os micro e pequenos projectos, no sentido de diminuir as importações, não faz sentindo o país com a grande quantidades de terras aráveis e férteis continuar a importar toneladas de alimentos. “ O Governo precisa procurar mais fundos e investir na agricultura, deste jeito vai deixar de importar 80 USD milhões/dia em recursos alimentares”, referiu. Em sua opinião, o Estado deve deixar de competir com os empresários, mas criar condições para que os investidores continuem as suas actividades e apostarem na exportação dos produtos.

Governo angolano investe 24 milhões de Kwanzas em reserva alimentar

O Governo angolano vai investir 24 mil milhões de kwanzas (87,6 milhões de euros) na Reserva Estratégica Alimentar do Estado, aprovada em Maio do presente ano pelo Conselho de Ministros para garantir o abastecimento de alguns alimentos essenciais durante determinados períodos. De acordo com informação governamental, a concretização desta reserva está prevista para finais deste ano e deverá ser constituída fundamentalmente por produtos nacionais, incluindo 20 mil toneladas de arroz, 10 mil toneladas de farinha de milho, 21 mil toneladas de farinha de trigo e 15 mil toneladas de feijão.