Exposição colectiva “Fuckin’ Globo” com novos protagonistas

Um total de doze artistas ocupam os quartos do hotel Globo, para 5ª edição da exposição colectiva “Fuckin’ Globo”

tudo o que a imaginação sugere aos artistas estará patente em mais uma mostra “Fuckin’ Globo”, cuja abertura acontece no próximo dia 6 e se estende até ao dia 11 de Dezembro, nas instalações do Hotel Globo, a partir das 19 horas, na baixa da cidade de Luanda.

Com seis artistas a participar pela primeira vez, nesta edição o colectivo é composto por: Toy Boy, Lubazandyo Pemba Bula, Joana Taya, Nelo Teixeira, Colectivo Verkron, Maria-Gracia Latedjou, Ery Claver, Daniela Vieitas, Yonamine, Kiluanji Kia Henda, Mussunda N’Zombo (AKA Miguel Prince) e Thó Simões.

Esta exposição é caracterizada por fugir ao convencional. Desse modo, o “Fuckin’ Globo” volta a realizar-se com o mesmo espírito voluntário dos artistas que financiam a iniciativa e, desta forma, garantem independência total, em relação às instituições ou patrocínios, permitindo-lhes uma abordagem autónoma sobre temas culturais, sociais e políticos, arriscando apresentar novos sentidos estéticos e conceptuais.

Desde a primeira edição do “Fuckin’ Globo” em Dezembro de 2015, já contou com a participação de vários artistas, entre os quais Kiluanji Kia Henda, Edson Chagas, João Ana, Elepê, Orlando Sérgio, Marcos Kabenda, Keyezua, André Cunha, Angel Ihosvanny, Thó Simões, Ery Claver, Irina Vasconcelos, Muamby Wassaky, Alekssandre Fortunato, Daniela Vieitas, Toy Boy, Colectivo Verkron, Gretel Marin, Kalaf Epalanga e António Ole.

“Três anos depois, pelo “Fuckin’ Globo” passaram milhares de visitantes, desde curiosos, diplomatas a representadores dos grandes centros de arte mundiais que fizeram questão de conhecer a fundo os projectos artísticos desenvolvidos naquele espaço inusitado, na baixa de Luanda”, pode ler-se numa nota da curadoria. “Desde 2015, o Fuckin’ Globo tem ocupado os quartos do Hotel Globo, na Baixa de Luanda, num edifício dos anos 50, do século XX, entre a Avenida Rainha Ginga e a Rua Comandante Veneno”, acrescenta a nota.