Produtora Zona Jovem regressa com o projecto “Serenatas à Kianda” em 2019

A I edição do projecto juntou artistas angolanos e brasileiros no mesmo palco e deverá repetir-se no próximo ano, segundo garantiu a este jornal o director executivo da Zona Jovem (promotora do evento), Figueira Ginga

O projecto que visa homenagear a cidade de Luanda, também baptizada por “Kianda”, deverá regressar com o mesmo formato em 2019, depois da suspensão que ocorreu durante o ano 2018, por não ter conseguido encontrar parcerias para o seu prosseguimento. “A Zona Jovem não conseguiu as parcerias empresariais.

Acreditamos que tal deveu-se à crise financeira com que se depara o país e levou a uma retracção no acesso a divisas, visto que é um projecto que inclui músicos internacionais”, explicou. Todavia, os nomes dos artistas ainda não são conhecidos, mas deverão estar presentes outros nomes da lusofonia, à semelhança
da edição anterior, que trouxe os angolanos Gabriel Tchiema e Filipe Mukenga, bem como os brasileiros Maria Gadu e Jorge Vercillo.

“É quase certo que teremos Serenatas em 2019, com uma viagem pela lusofonia. Os nomes ainda serão definidos, mas temos a certeza que serão do agrado de todos”, revelou Figueira Ginga. Entretanto, a produtora articula já outras realizações para o próximo ano, como é o caso da continuidade do projecto “Duetos N’Avenida”, que está prestes a encerrar, em que ocorreram as exibições dos duos Puto PortuguêsPatrícia Faria, Maya Cool-Eduardo Paim e mais recentemente Edmázia Mayembe e Bruna Tatiana.

“Sabíamos que estávamos a trazer uma proposta cultural e musical diferente e ousada e que teríamos de conquistar o nosso espaço, passo a passo. E assim tem sido, mas a adesão do público ao nosso conceito enche-nos de orgulho e faz-nos acreditar que a segunda temporada será a afirmação da marca Duetos N’ Avenida”, aponta.

O responsável da produtora apontou ainda como próxima novidade a extensão do projecto para além das fronteiras de Luanda e do país, dada as solicitações e modesto contributo que este projecto tem vindo a granjear desde a sua implementação.
encerramento Assim, a primeira temporada do “Duetos N’Avenida”, encerra com as apresentações de outros dois ícones da cultura angolana, em particular do Semba e da Kizomba, que brindarão o público com três apresentações no palco da Casa 70, nos dias 6, 7 e 8 de Dezembro, ao invés de uma inicialmente prevista.

Trata-se do concorrido encerramento do projecto Duetos N’Avenida, que tem como objectivo o de unir duas vozes num show autoral e inovador. Nesta edição, o Duetos vai contar com Paulo Flores e Yuri da Cunha, intérpretes de duas gerações de “sembistas” que se encontram para misturar tradição e modernidade em grandes hits.

O reencontro

O encontro de Paulo Flores e Yuri da Cunha já tem precedentes. Os dois protagonizaram a canção “Kandengue atrevido” em 2013 e a sintonia entre os dois promete ser a mesma nos três shows, com a promessa da reunião dos grandes hits das suas carreiras para proporcionar à plateia uma grande homenagem ao Semba.

Os ensaios prosseguem, de acordo com o director musical do Duetos, Chalana Dantas, essa integração para uma produção musical de qualidade foi bem-sucedida, tal como nas edições anteriores do projecto, devido ao “grande profissionalismo” dos músicos envolvidos e a vontade única em fazer-se o melhor.

“Em todas as edições, os cantores perceberam o que tinha que ser feito e buscaram estar em sintonia um com o outro. Nós os ajudámos a criar esta afinidade, mesmo com estilos musicais diferentes. O profissionalismo é o que os leva a buscar interpretar bem a música do colega e a fazer duetos memoráveis”, explicou o director musical.