Rafael Marques barrado na entrada ao Palácio Presidencial

Era um dos convidados para um encontro com o Presidente República está quarta-feira mas o Protocolo Presidencial alegou, a última hora, que o seu nome não constava da lista dos convidados.

O activista lamenta que tenha sido girafa toda a expectativa a todos que acreditaram que a sua presença na Cidade Alta. “Seria uma oportunidade para passar alguma mensagem”, disse. Marques disse que o seu constava de um convite verbal anunciado pela comunicação pública na ultima segunda—feira. Contudo, disse ter estranhado o facto de o terem identificado como sendo um membro da Open Society, uma organização que afirma já não pertencer há mais de 25 anos. “Por respeito à figura do Presidente devo apenas dizer que se foi uma falha não foi a primeira porque a comunicação social anunciou que eu tinha sido convidado como um membro da Open Society (….), desabafou.

Para o activista O seu activismo é conhecido por todos através do seu website “Maka Angola” onde tem denunciado casos de corrupção e k de violação dos Direitos Humanos O Presidente da República recebeu hoje no Palácio Presidencial da Cidade Alta um grupo de activistas e representantes de organizações cívicas. Da lista de convidados constam os activistas Luaty Beirão, Alexandra Simeão e outros líderes de algumas organizações da sociedade civil e não-governamentais que trataram com o Presidente da República “questões da actualidade”, segundo um comunicado oficial.

Numa nota de imprensa, a Casa Civil do Presidente da República adiantou que estariam igualmente presentes representantes de cerca de uma dezena de instituições ligados à defesa dos direitos humanos, desenvolvimento rural, direito e promoção da juventude. Entre outros, a nota refere que, no encontro, deverão também participar Fernando Macedo, pela Associação Justiça, Paz e Desenvolvimento (AJPD); Salvador Freire, pela Associação Mãos Livres, e José Patrocínio, pela OMUNGA. Outras associações com participação confirmada na audiência coletiva são também o Centro Cultural Mosaico, a Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA), a AMANGOLA e os Conselhos Nacional da Juventude.