1º de Agosto confiante na vitória no reduto do Otôho

Hoje, no Estádio Marien Ngouabi, o 1º de Agosto visita o AS Otôho do Congo-Brazzaville, às 15:30, em partida referente à segunda mão da primeira eliminatória de acesso à fase de grupos da Liga dos Clubes Campeões da CAF

POR: Kiameso Pedro

O 1º de Agosto já respira os ares da cidade de Oyo, onde hoje, a partir das 15:30, vai defrontar o Association Sportive (AS Otôho) do Congo- Brazzaville, num encontro que marcará a segunda mão da primeira eliminatória de qualificação à fase de grupos da 23ª edição da Liga dos Clubes Campeões africanos em futebol. O tri-campeão nacional está em vantagem no jogo da 1ª mão, depois de ter vencido no Estádio 11 de Novembro, o AS Otôho (4-2). Nesta partida, que se antevê difícil, os militares, às ordens do bósnio Dragan Jovic, estão conscientes de que terão de usar o “fato macaco” para manterem a eliminatória sob controlo.

Depois do susto causado no desafio da 1ª mão, o AS Otôho do Congo-Brazzaville vai querer, certamente, repetir no seu reduto o “amargo de boca” ao 1º de Agosto. Em função disso, os “rubro-negros”, além de mostrarem ao opositor que têm uma vasta experiência na prova sob a égide da CAF, depois de escreverem na folha de jogo a reviravolta no marcador, ainda assim terão de entrar neste encontro com algumas cautelas. Para já o adversário mostrou que não é um alvo fácil a abater. Em declarações à imprensa, o técnico-adjunto do 1º de Agosto, Ivo Traça, fez transparecer a ideia de que o Otôho de Brazzaville sabe jogar e que será um jogo difícil. À partida, o 1º de Agosto tem o pássaro na mão, ou seja, só depende de si para disputar a próxima eliminatória.

Erros cometidos no desafio da primeira mão devem ser corrigidos. Para o efeito, a dupla constituída por Bobó e Danny Massunguna, terá de se manter “acordada” durante os 90 minutos. Ambos os atletas mostraram em Luanda um certo apagão na zona central, permitindo que os avançados congoleses ganhassem notoriedade ao longo do encontro. Ao marcarem dois golos no reduto dos militares, os congoleses só precisarão de mais dois para afastarem o embaixador angolano das preliminares de apuramento à fase de grupos da prova. Ao nível do departamento clínico, o grupo encontra-se incompleto. O 1º de Agosto embarcou para a cidade de Oyo sem o médio Buá, devido a problemas pessoais.