A embaixada dos EUA reabre na Terça-feira, 4 de Dezembro, depois de uma semana de psicose

A embaixada dos EUA em Kinshasa reabriu as suas portas ao público na Terça-feira, 4 de Dezembro de 2018, após uma semana de fecho, disse na Segunda-feira a representação diplomática cujas instalações estariam sob uma “ameaça terrorista”.

A embaixada “trabalha estreitamente” com o Governo da RDC para “responder a uma ameaça terrorista contra instalações do Governo dos EUA em Kinshasa (…) e será reaberta ao público na Terça- feira, 4 de Dezembro”, repetiu a representação numa mensagem transmitida na Segunda-feira à noite nas suas páginas. Depois de apelidar a embaixada de “psicose desnecessária” no Domingo, o Governo congolês considerou “graves” as ameaças contra as instalações dessa representação diplomática, localizada na comuna de Gombe, não muito longe da sede de Gombe, MONUSCO, a Embaixada da China e da sede da Comissão Nacional Eleitoral Independente (INEC). Na semana passada, Washington enviou a sub-secretária- adjunta de Estado para Assuntos Africanos, Elizabeth Fitesimmons para Kinshasa.

Com o vice-primeiro-ministro encarregado dos Negócios Estrangeiros, Leonard She Okitundu, o diplomata americano levantou a ameaça terrorista contra a embaixada, mas nada havia filtrado detais trocas. “Tudo é feito para que o que é projectado não seja alcançado, em estreita cooperação com as autoridades dos EUA”, afirmou no Sábado passado durante uma colectiva de imprensa, She Okitundu, alegando ter trocado “informações” com o sub-secretário. Secretário de Estado adjunto “para aniquilar a ameaça que é projectada”.

O Pais

Deve ver notícias